África faz Fifa rever planos

Por causa do transporte, sistema de sedes fixas na primeira fase deve voltar no Mundial

Luiz Antônio Prosperi e Sílvio Barsetti, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2009 | 00h00

No primeiro balanço da Copa das Confederações, após dez dias de competição, a Fifa reconheceu ontem que transporte e segurança têm de melhorar, e muito, para a realização da Copa do Mundo de 2010. A situação é tão grave que a entidade admite a volta das sedes fixas para cada cabeça de chave no Mundial, modelo abolido após a Copa de 1990 na Itália. Confira mais notícias sobre a Copa das Confederações 2009As prováveis mudanças foram anunciadas pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, e o secretário-geral, Jerome Valcke, ontem, em Johanesburgo."Nos Estados Unidos, no Mundial de 1994, tentamos fazer com que cada equipe jogasse em outras sedes para dar mais facilidade aos torcedores. A situação agora é outra. Diante do modelo de transporte na África do Sul, podemos estudar a possibilidade de voltar como era até a Copa de 90 na Itália." Com as sedes fixas, as delegações não teriam de cruzar a África do Sul para jogar em três cidades na primeira fase. Esse será o tema central da reunião entre dirigentes da Fifa e do Comitê Organizador Local, sexta-feira, em Johannesburgo.No balanço da Copa das Confederações, ficou claro que as graves deficiências de transporte na África do Sul podem comprometer a forma de disputa do Mundial que a Fifa adota desde 1994. "Reconhecemos que, em determinadas sedes da Copa das Confederações, o transporte não foi bem trabalhado", admitiu Valcke. Confirmando a volta das sedes fixas, duas cidades litorâneas saem na frente para hospedar a seleção brasileira: Durban e Cidade do Cabo, que os sul-africanos chamam de "Rio de Janeiro" da África. Antes, o Brasil deve ter um período de 15 dias de preparação em Angola.Quanto às questões de segurança, Valcke amenizou a situação. "A segurança nas imediações dos estádios tem sido boa. Isso se deve ao esforço da polícia e, portanto, do governo. Nessa competição o mundo viu que a África do Sul pode fazer um bom Mundial." Blatter reforçou a tese de que a Copa de 2010 deixará um grande legado aos sul-africanos, citando melhorias em estradas, rede hoteleira, telecomunicações, aeroportos e outros pontos. E elogiou seus parceiros. "Uma prova da confiança na Copa da África do Sul é que os patrocinadores esperam o sucesso do evento", disse Blatter. O suíço ainda acrescentou que Barack Obama está disposto a acompanhar alguns jogos da Copa de 2010 nos estádios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.