Laurent Rebours/AP
Laurent Rebours/AP

Agência confirma perda de títulos e Armstrong banido do ciclismo

Atleta norte-americano, considerado um ícone na modalidade, desistiu de apelar contra acusações de doping

AE-AP, Agência Estado

24 de agosto de 2012 | 14h13

EUA, Colorado Springs - A Agência Antidoping dos Estados Unidos (Usada, na sigla em inglês) divulgou comunicado nesta sexta-feira para oficializar que o norte-americano Lance Armstrong teve anulados os sete títulos que conquistou da Volta da França, a mais tradicional prova do ciclismo mundial, assim como todos os seus outros resultados obtidos desde 1.º de agosto de 1998. A decisão, agora ratificada por meio de um documento publicado em seu site oficial, foi anunciada um dia depois de o ciclista ter anunciado que desistiu de apelar contra as acusações de uso de doping feitas pela entidade.

Considerado uma lenda de sua modalidade e um dos maiores atletas da história, Armstrong conquistou a Volta da França de forma consecutiva entre 1999 e 2005, um recorde. O atleta de 40 anos de idade também foi banido definitivamente do ciclismo, segundo informou a Usada.

Armstrong sempre alegou inocência contra as acusações de doping, mas agora passou a ser considerado oficialmente pela Usada como um atleta que fez uso de substâncias ilegais e trapaceou para levar vantagem sobre os seus adversários ao longo de sua carreira.

Apesar da decisão atual da Usada e das frequentes acusações de doping contra Armstrong, o ciclista foi visto anteriormente por milhares como um herói por ter superado um câncer no testículo e voltado a competir para depois se tornar heptacampeão da Volta da França. Ele ainda criou uma fundação para ajudar as vítimas deste tipo de doença.

Armstrong virou objeto de uma longa investigação da Agência Antidoping dos Estados Unidos e tinha até a noite da última quinta para apelar contra a decisão anunciada por um tribunal federal norte-americano no dia 13 deste mês, quando foi negado um recurso que ele apresentou contra a Usada para bloquear o processo disciplinar ao qual era submetido.

Armstrong é acusado de ter usado EPO, o hormônio chamado de eritropoietina que costuma ser usado por esportistas para melhorar o desempenho em competições, além de esteroides e transfusões de sangue como doping ao longo de sua carreira.

A Usada confirmou o uso destas substâncias e métodos ilegais ao enumerar as razões pelas quais está punindo o ciclista, sendo que no último dos cinco itens que listou destacou que Armstrong agiu "assistindo, encorajando, ajudando, encobrindo ou outra cumplicidade envolvendo uma ou mais violações da regra antidoping e/ou tentativa de violação da regra de antidoping".

O fato, porém, é que nunca Armstrong foi flagrado em um exame antidoping que comprovasse que ele realmente fez uso de substância proibida para levar vantagem sobre os seus adversários. E ele acabou desistindo de provar sua inocência não por admitir sua culpa, mas sim por se dizer cansado de apresentar provas que o inocentassem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.