Agência promete triplicar número de testes antidoping no Brasil em 2016

No momento em que se discute a moralidade da participação de Anderson Silva na seletiva para os Jogos Olímpicos, poucos meses depois de ter sido flagrado três vezes em teste antidoping, a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) promete revolucionar o controle dentro do País. A nova promessa é que 2.500 testes serão feitos nesta temporada, quase o triplo das 857 amostras colhidas em 2013 - não existe ainda uma contagem de 2014, mas os números devem ser parecidos com os do ano anterior.

Estadão Conteúdo

29 de abril de 2015 | 19h45

De acordo com o presidente da ABCD, Marco Aurelio Klein, desde a criação do órgão, no início de 2014, é o governo federal o responsável por arcar com os custos relativos aos testes. "Agora existe um plano de distribuição de testes cujo custeio total fica a cargo da ABCD", garante ele.

Em audiência pública realizada na Câmara dos Deputados, na terça-feira, Klein contou que dos quase 5 mil atletas contemplados pela Bolsa Atleta em 2103, entre 83% e 90% deles nunca fez um teste antidoping no País. Em fevereiro, o presidente da ABCD havia anunciado que a entidade faria acompanhamento antidoping periódico em 200 atletas de alto rendimento já a partir de março.

"Não se trata apenas de ampliar os testes e realizá-los fora de competição. Nós vamos seguir o padrão de análise estabelecido pela Wada (Agência Mundial Antidoping), que diz como os testes devem ser feitos", ressalta Klein. De acordo com ele, também vai crescer, nas modalidades de maior resistência, a aplicação de testes para a detecção de EPO.

RECREDENCIAMENTO - Em material divulgado para imprensa nesta quarta-feira, o ministério do Esporte informou que o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), antigo Ladetec, deverá ser recredenciado pela Wada em 13 de maio, quando o ministro do Esporte visitar a sede da entidade, em Montreal (Canadá).

Tudo o que sabemos sobre:
antidopingABCDdoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.