Agora, Dunga quer Amauri

Um dia após o interesse da seleção italiana em convocá-lo, técnico diz que pode chamá-lo

, O Estadao de S.Paulo

24 de dezembro de 2008 | 00h00

O técnico da seleção brasileira, Dunga, não está disposto a perder os gols do atacante Amauri para a esquadra Azzurra. Ontem, um dia após ver Marcelo Lippi abrindo as portas da campeã mundial para o brasileiro da Juventus, ele contra-atacou e disse que pretende, nos próximos jogos, chamar o destaque do Campeonato Italiano.O troco de Dunga em Lippi veio em entrevista ao jornal italiano Gazzetta dello Sport. "Pretendo chamá-lo para os próximos jogos", disse o brasileiro, que ainda não definiu todos os atacantes da equipe nacional. Se for para o próximo amistoso da seleção, Amauri, quem diria, vai encarar a Itália, em jogo marcado para dia 10 de fevereiro, em Londres.Recentemente, o jogador, de 28 anos, afirmou sua disposição em defender a Itália porque nenhum treinador da seleção brasileira havia manifestado interesse em contar com seu futebol. Ao saber da notícia, Lippi disse que consideraria a possibilidade de chamar Amauri caso conseguisse a naturalização.Dunga quer Amauri mas faz ressalvas. Para ser convocado, o jogador terá de obedecer as regras em vigor na seleção. "Seu representante deve deixar de falar besteiras. Invadiu os jornais brasileiros com mensagens ameaçadoras, do tipo: ?Amauri vem, mas quer a posição de titular?. Nem Pelé pediu um lugar de titular", argumenta o técnico, na publicação italiana. "Amauri deveria perguntar a Kaká e Ronaldinho Gaúcho, que foram Bola de Ouro, se reclamaram em algum momento uma titularidade no (time do) Brasil." O treinador também ressalta que o atacante deve ser cauteloso em suas atitudes porque as cobranças são muito fortes. "No Brasil, todos querem Amauri, mas se ele cometer erros, será destruído no dia seguinte."Para atuar pela Azzurra, Amauri precisa obter a cidadania italiana. Sua mulher, Cynthia, entrou com o pedido no Ministério do Interior para obter o benefício há um ano e deverá ter a resposta no início do ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.