Agressiva nas lutas, Edinanci se emociona ao falar de acidente

De cabeça baixa e capuz como umpugilista, Edinanci Silva se dirigia às lutas com raiva. Ganhoutodas elas por ippon, o nocaute do judô. Após levar a medalhade ouro no Pan do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira, elademonstrou emoção e dedicou a vitória aos parentes das vítimasdo acidente da TAM, em São Paulo. "Quando soube do acidente, fiquei muito triste. Nós atletasvivemos praticamente dentro de avião e nossas famílias secolocam no lugar dessas famílias", disse Edinanci, chorando."Fico feliz de ter feito essa homenagem a eles." O acidente no aeroporto de Congonhas aconteceu naterça-feira e foi o pior da história da aviação brasileira. Umavião da TAM não conseguiu frear na pista do aeroporto paulistae atingiu um prédio da própria companhia. A brasileira ganhou no Rio o bicampeonato pan-americano nacategoria até 78 quilos. Edinanci conquistou a medalha de ourono Pan de Santo Domingo, em 2003, e a de bronze no Pan deWinnipeg, em 1999. Sob gritos entusiasmados da torcida que quase lotou um dospavilhões do Riocentro, Edinanci entrava no ginásio de agasalhoe cabeça baixa. "Eu quis me isolar um pouco. Em alguns pontos a torcidaajuda, mas se você se deixar envolver, pode atrapalhar. Eutinha que ficar concentrada no meu objetivo", explicou aparaibana de 30 anos. Na primeira luta, a brasileira derrotou a adversária emapenas 9 segundos, aplicando um golpe perfeito. A segunda durou26 segundos e ela se classificou para a final contra a cubanaYurisel Laborde, atual campeã mundial. Edinanci estava em vantagem numa luta equilibrada quandoaplicou um bonito golpe, imobilizou a rival e comemorou o ippona 14 segundos do fim. "Fico feliz em fazer a final contra uma das judocas maisimportantes do mundo. É uma atleta que não se pode descuidar,tem uma condição física muito boa", disse Edinanci. "Desde o começo do ano já tinha colocado o Pan como meuprimeiro objetivo e o segundo é o Mundial", disse ela sobre acompetição de setembro no Brasil. A brasileira ainda persegue uma medalha de ouro emMundiais, já que tem dois bronzes (em 1997 e 2003). Neste ano,ela levou o título da Supercopa do Mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.