Agressor de Eduardo é suspenso por 3 jogos

Zagueiro Taylor, que quebrou a perna esquerda do brasileiro, recebe pena branda na Inglaterra

Londres, O Estadao de S.Paulo

27 de fevereiro de 2008 | 00h00

O brasileiro naturalizado croata Eduardo da Silva só deverá voltar a jogar futebol em, no mínimo, nove meses. Seu agressor, Martin Taylor, já poderá atuar no dia 22. Em seu site, a Federação Inglesa de Futebol anunciou que o número do 4 do Birmingham pegou três jogos de suspensão pela violenta entrada no atacante do Arsenal.O lance ocorreu no sábado, em jogo válido pela 27ª rodada do Campeonato Inglês. Aos 3 minutos, o zagueiro inglês entrou de carrinho e acertou a perna esquerda de Eduardo, que fraturou a fíbula. O atleta, de acordo com o médico Tim Allardyce, do Arsenal, só não teve a perna amputada por causa da rapidez da cirurgia.O técnico do Arsenal, Arsene Wenger, disse logo depois do ocorrido que Taylor deveria ser banido do futebol. Dias depois, pediu desculpas por suas declaração. Ele só não deve ter gostado muito da branda pena que o zagueiro recebeu.A punição é padrão nos casos em que um jogador é expulso na Inglaterra. Não haverá julgamentos posteriores e Taylor irá desfalcar sua equipe nos jogos contra Tottenham, Portsmouth e Newcastle. Contra o Reading, no dia 22, o zagueiro já poderá voltar aos gramados.Eduardo da Silva deve ter alta do hospital até domingo. O jogador ficará com uma tala na perna por um período de seis a oito semanas e depois vai começar a fazer leves exercícios de recuperação. "Está tudo correndo da melhor maneira possível. Esperamos que possa voltar a correr em seis meses", diz o comunicado oficial do Arsenal. A maior preocupação dos dirigentes e médicos do clube inglês é quanto ao estado emocional do atacante. "O lado emocional dele merece atenção, mas Eduardo tem sido forte e vai superar tudo isso", completa o comunicado.Taylor chegou a ser ameaçado de morte por alguns torcedores do Arsenal. Já visitou Eduardo no hospital e recebeu o seu perdão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.