Ainda dá tempo de correr a São Silvestre

A pouco menos de três meses da São Silvestre ainda dá tempo de se preparar para vencer os 15 quilômetros da mais tradicional corrida do País. Mesmo quem anda meio fora de forma pode fazer uma boa prova se nas próximas dez semanas se dedicar aos treinos com persistência e disciplina. Encarar a São Silvestre sem treinamento adequado é correr o risco de passar pelo vexame de não conseguir completar o percurso, ou pior, terminar a prova dentro de uma ambulância.A primeira providência é fazer um check-up. Depois, com um tênis adequado, alimentação balanceada e disposição para seguir uma planilha de treino é possível se preparar bem para correr no dia 31 de dezembro. Para fazer uma boa prova também vai ser preciso fugir dos excessos das confraternizações de fim de ano, abrindo mão das comidas gordurosas e bebidas alcoólicas. Quem já passou pela experiência de participar da São Silvestre, no entanto, garante que vale a pena o sacrifício. "Quando terminei a prova me senti um herói", conta Valdomiro Paulo Cocato, de 62 anos, ao lembrar de sua primeira São Silvestre, em 1987. Depois de participar oito vezes da prova, se prepara para correr de novo este ano.Mas quem disputa a corrida pela primeira vez não pode se deixar levar pela empolgação. Por trás da alegria dos 15 mil competidores, uma multidão formada na sua grande maioria por corredores amadores e anônimos, está uma corrida desgastante, com subidas e descidas, piso irregular, disputada sempre sob forte calor. "É preciso ter preparo e consciência de que é uma prova difícil", ensina o administrador de empresas Fabio Pando, de 38 anos, que este ano vai correr sua 9ª São Silvestre. "Tenho um carinho especial pela prova. O ano termina ali, dá uma sensação de dever cumprido."Equívocos ? Muitos competidores acham que a melhor forma de se preparar para a corrida é treinar no percurso da prova, o que é um grande erro, segundo o diretor da Federação Paulista de Atletismo Wanderlei de Oliveira. "É perigoso e não representa a prova real", explica. Ao treinar no circuito Paulista-Consolação-centro-Brigadeiro o atleta acaba tendo de se concentrar nos riscos que está correndo, desviando de carros, pedestres, parando nos semáforos e ainda pode sofrer lesões ao subir e descer das calçadas. O ideal é correr em parques logo pela manhã ou no fim da tarde, quando a temperatura está mais amena e o ar, menos poluído. "Correr no horário da prova é um desgaste desnecessário por causa do calor", explica Oliveira, que já participou de 25 São Silvestres.Quem é principiante também deve ter em mente seus limites e não pode ir para a largada sonhando com o pódio. "O grande desafio para os principiantes deve ser completar a prova sem andar. Já vi gente na largada, sem preparo, que não tinha nem tênis adequado, achando que podia ganhar o carro dado como prêmio", afirma Cocato.Estréia ? Tudo o que o analista de sistemas Mário Faria, de 40 anos, quer é cruzar a linha de chegada, ainda que para isso tenha de diminuir o ritmo durante o percurso. Ele começou a treinar para a sua primeira São Silvestre no dia 1º de setembro e já passou a barreira dos 5 quilômetros. Espera melhorar o seu desempenho até o fim do ano. Para isso, treina três vezes por semana no Ibirapuera. "Emagreci 1,5 quilo, perdi a barriga e me sinto bem mais disposto." Ele segue a orientação de um personal trainer, que mantém convênio com a empresa na qual trabalha, faz alongamento antes e depois dos treinos e cuida da alimentação.No dia 31 de dezembro vai finalmente poder fazer companhia ao seu primo, que costuma participar da prova e sempre o chama para acompanhá-lo. "No ano passado ele ligou do celular, no meio da corrida, para dizer que eu não tinha idéia do que estava perdendo."Festa ? Incentivada por colegas de trabalho que já participam da São Silvestre, a especialista em software Mônica Mataruco, de 35 anos, também se prepara para enfrentar a competição pela primeira vez. "Não estou preocupada com o tempo, quero terminar a prova", diz. Treinando há quatro meses, já se sente pronta para correr os 15 quilômetros. "O que mais me preocupa é o calor", diz. No começo, seu marido e os dois filhos duvidavam de que fosse capaz de disputar a corrida, mas os seus progressos com os treinos fizeram com que mudassem de opinião. Hoje tem o apoio de toda a família. "É mais uma festa do que uma prova. Estou muito animada."Um de seus incentivos é a companhia durante os treinos no Ibirapuera e na Cidade Universitária da dona de casa Mitico Nakatani, que, aos 71 anos, dois filhos e três netos, vai para sua 9ª São Silvestre. Detalhe: em todas chegou em 1º lugar em sua categoria e mais uma vez vai para ganhar. "É muito bom correr a São Silvestre, é o último dia do ano e você guarda uma boa recordação", explica.» veja as tabelas com sugestões de treinamento para a corrida

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.