''Ainda me respeitam'', diz Gaúcho

Ronaldinho Gaúcho diz ter aprendido uma coisa nessa Olimpíada, graças à convivência - breve, mas intensa - com outros atletas na Vila Olímpica de Pequim: medalha de bronze vale, e muito. "Na Vila, vi muitos caras comemorando bastante a medalha de bronze. Eu valorizo também??, disse. "Sinto orgulho de tê-la conquistado.??Além da medalha, Ronaldinho ganhou um presente talvez mais importante: o carinho dos torcedores. "Achei que as pessoas não me respeitassem mais, mas senti que elas ainda têm carinho por mim.??O carinho, de fato, é bem grande. Em todos os estádios em que o Brasil jogou, Ronaldinho era festejado sempre que aparecia nos telões - em momentos como a execução do Hino Nacional - e toda vez que pegava na bola. Ontem, por exemplo, ele fez um gol de bicicleta que foi anulado porque havia impedimento na jogada. Mesmo assim, foi aplaudido pelas 50 mil pessoas que foram ao estádio em Xangai.Medalha conquistada, o técnico Dunga revelou detalhes dos bastidores da seleção e prosseguiu no desabafo iniciado anteontem, reação ao movimento para que seja destituído do cargo. Ele disse que durante toda a Olimpíada teve de conviver com a pressão feita pelos alemães para impedir que Rafinha e Diego jogassem."Até três horas antes do primeiro jogo não sabia se podia contar com os jogadores ou não??, contou. "Depois, antes de cada partida eu recebia um papel (fax) ameaçando suspender os jogadores se eles jogassem.??Werder Bremen e Schalke recorreram ao Tribunal Arbitral do Esporte contra a convocação de Diego e Rafinha e o órgão entendeu que os clubes não tinham mesmo de liberá-los para a Olimpíada. Depois disso, o advogado dos clubes, Theodore Paeffgen, passou a pressionar a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Dunga e os jogadores, enviando fax nos dias de partida.O treinador também lamentou o fato de o Real Madrid não ter liberado Robinho e lembrou que a briga que culminou com a proibição do uso da camisa com o escudo da CBF pela seleção brasileira incomodou jogadores e comissão técnica.Dunga considera o bronze agora mais importante do que a prata que conquistou em Los Angeles. "Naquela Olimpíada, o time do Internacional foi levado para representar o Brasil em cima da hora. Então, não tinha responsabilidade nenhuma, não havia pressão.??O treinador voltou a cutucar aqueles que trabalham por sua queda. "Tem gente que fala que tem esquema (na seleção), mas quando vem pra cá faz as coisas erradas. Tem de fazer a coisa certa. Cadê a coerência???, afirmou, sem mencionar nomes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.