Ainslie ganha tri mundial da classe Finn

O inglês Ben Ainslie sagrou-se tricampeão mundial de vela da classe Finn, hoje, na raia da Baía de Guanabara, e foi o primeiro velejador a igualar o feito do brasileiro Jörg Bruder, até então o único que havia conquistado três títulos consecutivos na categoria, em 1970, 1971 e 1972. Ainslie, medalha de ouro na classe Lazer, nos Jogos Olímpicos de Sydney, assegurou o título durante a penúltima regata da competição, ao chegar em nono, e nem participou da última etapa, que definiu como o vice-campeão, o canadense Richard Clarke. "É uma honra compartilhar este título com o Bruder, um bravo velejador e muito respeitado internacionalmente. O Brasil é um lugar adorável e foi um prazer velejar aqui no Rio", afirmou o iatista, de 27 anos. Ainslie foi o vencedor com um total de 56 pontos perdidos, contra 69 e Clarke. A terceira posição ficou com o irlandês David Burrows, com 79 pontos perdidos e a quarta, com o polonês medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, Mateusz Kusznierewicz, 82. "Os ventos não colaboraram e foi complicado para todos os participantes. Por isso, estou ainda mais satisfeito com o resultado", frisou o tricampeão. O melhor brasileiro no Mundial foi João Signorini, o Joca, que terminou na nona posição, com um total de 103 pontos perdidos. Já Bruno Prada, que chegou a vencer uma das nove regatas da competição, ficou no 21º lugar, com 167 pontos perdidos. "Fiquei satisfeito com o meu desempenho. Mas a Semana Pré-Olímpica de Búzios será completamente diferente. Aqui tivemos 54 barcos na raia e eu não tinha preocupação em marcar o Bruno (Prada). Lá teremos apenas três", disse Joca, que cumpriu o seu objetivo de terminar entre os dez primeiros colocados. Ele é o favorito para ficar com a vaga do Brasil em Atenas, na classe Finn. Nas duas últimas regatas de hoje, a 8ª e 9ª, os vencedores foram o brasileiro Jorge Zarif e o espanhol Rafael Trujillo. Já a Taça Silver Cup Jörg Bruder, equivalente ao Mundial Júnior, teve por campeão o finlandês Tapio Nikko.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.