Além da natação

PISCINABraços: levante peso, faça gol ou rebata a bola. Pernas: corra,pule e pedale na águaA piscina não é monopólio das braçadas solitárias do nado crawl. Há outras formas de aproveitar a água, com esportes que são até mais competitivos e enérgicos. Da controversa hidroginástica, vista como atividade de idosos e gordinhos, aos jogos de polo e biribol, o Guia mostra como é possível malhar o corpo entre os azulejos azuis e se divertir.Além de prazeroso, o exercício na água tem menos impacto sobre as articulações. Se a piscina for aquecida, melhor para se alongar, como explica Carlos Kerbej, professor de atividades aquáticas das universidades de Ribeirão Preto (Unaerp) e Uniban. E você também não fica com aquela sensação desagradável de camiseta suada.O fato de as atividades serem feitas em grupo também motiva. Basta avaliar com atenção as exigências de cada esporte: se a hidro é democrática e o biribol exige apenas uma noção básica de vôlei, jogar polo requer fôlego para nadar atrás da bola. Biribol Em meados dos anos 50, um grupo de amigos da cidade de Birigui, no interior de São Paulo, resolveu levar a rede e a bola de vôlei para a piscina. A brincadeira acabou virando um esporte oficial com a Liga Brasileira de Biribol. Hoje, ele é disputado em campeonatos formais, especialmente interestaduais, embora na capital paulista ainda seja encarado como atividade de ?recreação? em clubes e academias. As regras são bem parecidas com as do vôlei, com três ou cinco sets de 21 pontos. Mas o ritmo é outro. "Enquanto o vôlei é mais corrido, o biribol tem movimentos lentos", diz o estudante Eduardo Nazarini, 20 anos. De fato, ninguém precisa dar ?peixinho?, não há impacto com o chão e não é preciso correr atrás da bola, já que o campo tem apenas 8m x 4m, contra 18m x 9m do jogo-irmão. Para quem se interessou, mais duas vantagens ajudam a cair na piscina: refresca no calor e não exige que você saiba nadar.Sesc Pinheiros. R. Paes Leme, 195, Pinheiros, 3095-9400. Dom. e fer., 10h30 (consultar antes). Polo aquáticoBater as pernas sem parar, nadar para disputar a bola e ainda ter mira suficiente para acertá-la no gol. Não é à toa que o polo aquático, o ?handebol da água?, é a mais difícil das três atividades aqui apresentadas. Como os pés nunca tocam o fundo da piscina e é proibido se apoiar em raias e bordas, pernas e braços não param de se movimentar. Por isso, ter um bom preparo de natação é fundamental para aguentar os quatro tempos de seis minutos que duram o jogo. "Escolhi o polo porque o esporte exige mais que a natação", diz Luma Guarçoni, 13. O esforço é recompensado com o fortalecimento dos músculos, mas a prática pode render situações embaraçosas, como biquínis e sungas rasgados, além de hematomas e arranhões. Não se assuste: estas cenas são mais comuns entre profissionais, garante Francisco Dragone, professor da Cia. Athletica.Sesc Pompeia. R. Clélia, 93, Pompeia, 3871-7700. Dom., 16h30.HidroginásticaAbandone o preconceito: hidro não é ginástica só de idosos e gordinhos. Embora não tenha contraindicação de idade ou condição física, o esporte exige esforço e pode emagrecer muito, bem como ajudar a desenvolver massa muscular. "Faço hidro há 20 anos. Comecei porque tem baixo impacto, mas não é uma aula light. Tem uma parte aeróbica bem puxada", atesta a professora Ana Cristina Ferreira, 55. Dependendo do programa, que pode ir da tradicional ?ginástica-axé? até exercícios com pesos e equipamentos de jump e spinning, a queima calórica pode ser igual à da ginástica olímpica. Com a vantagem de você não sentir nenhuma gota de suor escorrendo. Cia. Atlethica Kansas. R. Kansas, 1.582, Brooklin Paulista, 5506-2793. 2ª a sáb., vários horários. R$ 373 (mês, plano anual).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.