Reprodução
Reprodução

Além de Schaub, Minotauro também dá nocaute na aposentadoria

Dana White afirma que se o brasileiro não tivesse vencido, teria que pendurar as luvas

Bruno Lousada e Paulo Favero, estadão.com.br

28 de agosto de 2011 | 16h10

Três cirurgias, mais de um ano sem lutar e apenas quatro meses de treinamento intensivo para o UFC Rio. A desconfiança sobre o peso pesado Minotauro era tão grande que, se perdesse, ele seria aposentado por Dana White, chefão do evento. Mas o baiano, de 35 anos, provou que ainda tem muita lenha para queimar ao vencer por nocaute o americano Brendan Schaub, num dos combates mais aguardados da noite de sábado, na Arena HSBC, na Barra da Tijuca.

O próprio Dana White revelou após a vitória arrasadora ainda no primeiro round. "Se perdesse, eu sentaria com ele e conversaria sobre sua aposentadoria. Eu gosto muito dele, respeito sua carreira, mas existe um monte de jovens lutadores que são fortes, rápidos e agressivos. Não quero que ninguém se machuque no UFC. O Minotauro é uma lenda, tem muita coisa a fazer pelo MMA, mesmo sem ser lutador. Mas ele venceu e eu vou falar o que? Não vou fazer nada."

Superar-se é algo que Minotauro faz desde a infância. Com 10 anos, ele quase morreu. Foi atropelado por um caminhão, que deu marcha ré enquanto brincava com os amigos na rua. Quebrou as pernas e ficou em coma durante quatro dias. Só deixou o hospital depois de 11 meses internado. Sua história de vida lhe dá muita força para jamais baixar a guarda.

Ao acertar o promissor Brandon Schaub com dois diretos de esquerda e direita que derrubaram o americano, obrigando o árbitro Herb Dean a encerrar a disputa com pouco mais de três minutos de luta, Minotauro viu o público ovacioná-lo de pé, pegou uma bandeira do Brasil e se emocionou. Em seguida, o ícone do MMA (artes marciais mistas) quebrou o protocolo. Concedeu entrevista primeiro em português e depois em inglês ainda no octógono.

"Vim de três cirurgias no quadril e na cintura, e fiquei quatro meses e meio andando de muleta. Treinei três meses e meio para essa luta e aceitei o desafio por vocês. Essa é minha luta de número 40 e a primeira em casa. Muito obrigado a todos", declarou.

A torcida o aplaudiu ainda mais e passou a cantar: "Ô, o Minotauro voltou". Aliás, o barulho do público foi muito grande desde que o veterano apareceu para lutar. "Quando estava andando para o ringue, fiquei tão nervoso que não olhei para a torcida. Só depois vi quanto barulho foi feito."

A vitória ontem lhe rendeu mais do que a certeza da volta por cima: ele garantiu o prêmio de nocaute da noite, ou seja, US$ 100 mil de bônus. "Foi a realização de um sonho, depois de tanta dificuldade."

Recém-contratado pelo Internacional, ele agradeceu à torcida colorada pelas inúmeras mensagens de incentivo que recebeu nos últimos dias e citou um vídeo de apoio que recebeu dos jogadores, com mensagens de Leandro Damião e outros. "Mostramos ao mundo que somos o País das artes marciais", afirmou. "O Brandon Schaub passou a semana me provocando, disse que iria me dar um nocaute, mas foi a cabeça dele que rolou". O Minotauro realmente está de volta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.