Além dos limites

Melhores momentos - Super-homens Usain Bolt e Michael Phelps batem recordes e entram para a história

Alexandre Calais, O Estadao de S.Paulo

25 de agosto de 2008 | 00h00

O primeiro, americano, de 23 anos, chegou a Pequim em busca de um recorde que muitos consideravam inalcançável: ganhar oito medalhas de ouro em uma mesma Olimpíada. O segundo, jamaicano, de 21, tinha uma meta um pouco menos ambiciosa, mas mesmo assim de execução extremamente complicada: ganhar as provas dos 100 e 200 metros, feito que não era conquistado desde 1984, em Los Angeles. No final, Michael Phelps e Usain Bolt saíram diretamente da piscina e da pista de Pequim para os livros de história dos Jogos Olímpicos.Phelps e Bolt conquistaram 11 medalhas de ouro em 11 provas disputadas - oito do nadador e três do corredor, que, além dos 100 e 200 metros, participou também do revezamento jamaicano vencedor dos 4x100 metros. Além disso, foram batidos nada menos que dez recordes mundiais (nos 100 metros nado borboleta, Phelps conseguiu "apenas" o recorde olímpico).Michael Phelps já havia tentado, em Atenas-2004, bater o recorde do compatriota Mark Spitz, conquistado em Munique-1972, de sete medalhas de ouro. Não deu. Com um bronze nos 200 metros livre, prova ganha pelo australiano Ian Thorpe, e outro no revezamento 4x100 livre, quando o ouro foi para a África do Sul, o americano terminou a Olimpíada com um quê de fracasso - a despeito dos seis ouros ganhos.Em Pequim, Phelps não deu chance para surpresas. Já chegou aos Jogos como o detentor dos recordes mundiais em sete das oito provas em que iria competir. E começou os Jogos em ritmo alucinado. Bateu o recorde olímpico dos 400 metros medley já nas eliminatórias. Na final, baixou seu próprio recorde mundial em quase um segundo e meio.O desempenho avassalador se repetiria nos dias seguintes. Ouro e recorde mundial no revezamento 4x100 metros livre; ouro e recorde mundial nos 200 metros livre; ouro e recorde mundial nos 200 metros borboleta; ouro e recorde mundial no revezamento 4x200 metros livre; ouro e recorde mundial nos 200 metros medley; ouro e recorde olímpico nos 100 metros borboleta; e ouro e recorde mundial no revezamento 4x100 medley.Phelps tornou-se, de uma só vez, o atleta com mais ouros em uma olimpíada e com mais ouros na história dos Jogos - chegou a 14, contando os seis ouros de Atenas, superando lendas como o americano Carl Lewis, o finlandês Paavo Nurmi, a ginasta russa Larissa Latynina e o próprio Mark Spitz, todos com nove ouros na carreira. "A maior lição de tudo isso é provar que nada é impossível", disse o nadador em Pequim, lembrando-se de uma ex-professora que havia previsto que ele jamais seria alguém na vida.E, vencido o desafio dos oito ouros, Phelps já projetava novas conquistas. "Vou tentar algumas provas novas", disse. Nem ele nem seu técnico, Bob Bowman, disseram que provas seriam essas. Uma possibilidade seriam os 50 metros e os 100 metros, provas de velocidade. "Se Michael treinar, pode ser um bom velocista. Mas não será tão bom quanto em provas mais longas", disse Bowman. Na verdade, nesse momento, parece impossível estabelecer limites para Michael Phelps.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.