Tobias Schwarz/AFP
Tobias Schwarz/AFP

Alemanha bate time das Coreias no 1º dia do Mundial Masculino de Handebol

Principal novidade do mundial, unificada seleção asiática não é páreo para donos da casa em grupo do Brasil

Redação, Estadão Conteúdo

10 de janeiro de 2019 | 20h17

Grande atração deste Mundial Masculino de Handebol, o time unificado das Coreias do Sul e do Norte não foi páreo para a Alemanha nesta quinta-feira, na estreia da competição. Um dos anfitriões do torneio, os alemães não tiveram maiores dificuldades para bater a equipe asiática em Berlim, por 30 a 19.

Em busca de melhorar a relação entre os países, as Coreias do Sul e do Norte enviaram ao torneio uma equipe unificada. São 16 sul-coreanos e quatro norte-coreanos representando a seleção neste momento histórico, que simboliza a união destas nações que se estabeleceram como rivais por anos.

Mas na estreia do Grupo A, o mesmo do Brasil, os asiáticos não conseguiram surpreender a Alemanha. Com sete gols do artilheiro Uwe Gensheimer, os donos da casa fizeram a festa da torcida e largaram bem em busca de seu quarto título do torneio, que seria o primeiro desde 2007.

Quem também estreou nesta quinta foi a outra sede do Mundial, a Dinamarca. Em busca da primeira conquista da competição, após três vices e uma medalha de bronze, o país recebeu o Chile pelo Grupo C, em Copenhague, e atropelou com facilidade por 39 a 16, graças aos oito gols de Casper Mortensen e os sete de Mikkel Hansen.

A seleção brasileira estreia no Grupo A nesta sexta, e não terá vida fácil, já que encara a França, maior vencedora do torneio - seis títulos - e atual bicampeã. Na sequência, o País encara a Alemanha (sábado), a Sérvia (segunda-feira), a Rússia (terça) e as Coreias (quinta).

"Nosso objetivo é conquistar a melhor classificação da história. Com a mudança do sistema de competição, somente três seleções passam de fase, e, sinceramente, temos condições de estar entre os três melhores do nosso grupo", considerou o técnico Washington Nunes.

 

 

Mais conteúdo sobre:
handebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.