JORGE LEAL/ AFP
JORGE LEAL/ AFP

Alemão surfa onda de 26,21 metros em Nazaré, supera brasileiro e entra para o Guinness

Sebastian Steudtner teve marca certificada, nesta terça-feira, pelo Livro dos Recordes; Pedro Scooby e Lucas Chumbo são indicados para premiação da WSL

EFE, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2022 | 18h30

O Guinness Book certificou nesta terça-feira que o alemão Sebastian Steudtner possui o recorde de surfar a maior onda do mundo, de 26,21 metros de altura. O feito foi alcançado em 2020 na tradicional praia de Nazaré, na região central de Portugal.

Steudtner, de 37 anos, surfou a onda gigante do recorde no dia 29 de outubro de 2020 na Praia do Norte, onde se forma um funil em sua extremidade e esse estreitamento favorece a geração de onda gigantes de mais de 30 metros de altura. "Nunca estive tão rápido na prancha e vi uma onda quebrar na minha frente. Um momento impressionante e inesquecível", publicou o surfista sobre o seu recorde no Instagram.

Desde 2013, Nazaré foi a casa de inverno de Steudtner. O alemão é conhecido por sua "forte proximidade com as grandes ondas". Steudtner ganhou o prêmio da Liga Mundial de Surfe (WSL Big Wave) em 2010, 2015 e 2021. Ele se tornou o primeiro europeu a conquistar o troféu mais prestigiado no surfe de ondas gigantes.

O feito do alemão tira o recorde do brasileiro Rodrigo Koxa, que ostentava seu nome, desde 2018, no Guinness Book a marca de maior onda surfada - 24,38 metros, também em Nazaré. O recorde feminino também é brasileiro. Maya Gabeira, em 11 de fevereiro de 2020, surfou uma onda de 22,4 metros na Praia do Norte.

BRASILEIROS INDICADOS

A WSL anunciou a lista de indicados à premiação de surfe de ondas gigantes. Três brasileiros concorrem à honraria: Michelle des Bouillons e os ex-BBBs Lucas Chumbo e Pedro Scooby. Michelle e Scooby concorrem nas categorias de melhor onda do ano e Maior Onda de Tow-In (em que os surfistas têm auxílio de um jet-ski). Lucas Chumbo, por sua vez, além das indicações nas itens acima, também pode ganhar com a maior onda na remada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.