Reprodução/ Twitter/ GwinnettBraves
Reprodução/ Twitter/ GwinnettBraves

Algo raro no beisebol, Luiz Gohara estreará na MLB como titular no Atlanta Braves

Arremessador brasileiro se tornará o quinto nascido no País a atuar pela principal liga da modalidade no mundo

Rafael Pezzo, O Estado de S. Paulo

05 de setembro de 2017 | 11h40

O arremessador brasileiro Luiz Gohara se tornará, nesta terça-feira, 5, o quinto brasileiro na história a atuar pela Major League Baseball, representando o Atlanta Braves. Divulgada anteriormente na mídia especializada, a informação foi confirmada à reportagem do Estado por fontes próximas ao jogador.

Além de ter sido chamado para compor o elenco principal dos Braves, o paulista de 21 anos será titular na partida contra o Texas Rangers, nesta terça, no SunTrust Park, casa do Atlanta, conforme apurado pela reportagem. É provável também que o brasileiro permaneça na MLB até o final da temporada, em 1º de outubro, com chances ser escalado como titular em pelo menos outras quatro partidas.

Gohara chegou à MLB em 2012, após assinar com o Seattle Mariners por US$ 800 mil (R$ 2,49 milhões, na cotação atual), à época, o maior contrato de um jovem brasileiro na história. A marca foi superada somente em julho deste ano, quando Eric Pardinho recebeu US$ 1,4 milhão (R$ 4,36 milhões) do Toronto Blue Jays.

Após quatro anos em Seattle, Gohara foi trocado para os Braves no início de 2017. Nesta temporada, ele subiu três níveis da Minor League Baseball (MiLB), as Ligas Menores, como são conhecidas as categorias de base, algo incomum na modalidade.

Mais raro ainda é o pitcher (arremessador, em inglês) estrear nas Grandes Ligas já como titular, mesmo que ele atue dessa forma nas Ligas Menores. Normalmente, os treinadores da MLB preferem testar os novatos os colocando para lançar em partidas em andamento, onde possivelmente o resultado já esteja encaminhado.

O starting pitcher (arremessador titular) é considerado um dos principais jogadores do beisebol, uma vez que é quem lança por mais entradas e o que possui o maior repertório de arremessos. Cada equipe possui normalmente cinco vagas de arremessadores, que se revezam a cada partida, a chamada rotação titular. Em determinadas situações, algumas franquias escolhem por montar este rodízio com seis atletas.

Gohara será o segundo brasileiro a estrear na MLB este ano. Em 14 de agosto, Thyago Vieira arremessou pelo Seattle Mariners na derrota por 11 a 3 para o Baltimore Orioles. Seattle, por sinal, é a franquia que mais investiu no talento brasileiro nos últimos anos. Contando com Christian Rummel Pedrol, de 17 anos, contratado em julho deste ano, a equipe já assinou com nove brasileiros.

BRASIL NOS EUA

Antes de Thyago e Gohara, outros três brasileiros já haviam jogado pela mais importante liga de beisebol do mundo. O primeiro deles foi o receptor Yan Gomes, em 2012, pelo Toronto Blue Jays. No ano seguinte, foi a vez de André Rienzo, com o Chicago White Sox. E, em 2015, Paulo Orlando não apenas chegou à elite, como também se tornou o primeiro nascido no País a ser campeão da World Series, como é chamada a grande final da liga, defendendo o Kansas City Royals.

Atualmente, Yan Gomes e Paulo Orlando seguem da MLB, como titular absoluto do Cleveland Indians. Rienzo se recupera de uma cirurgia no cotovelo e só voltará a defender os times afiliados do San Diego Padres em 2018. Já Orlando, após passar praticamente o ano inteiro nos afiliados dos Royals, voltou à elite em 1º de setembro.  

Ao todo, o Brasil conta com 16 jogadores no beisebol americano, entre a MLB e a MiLB. Este número já leva em consideração os cinco garotos que foram contratados no meio do ano, Eric Pardinho, Heitor Tokar, Victor Coutinho, Vitor Watanabe e Christian Rummel Pedrol.

Tudo o que sabemos sobre:
Beisebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.