Aline Silva brilha no Mundial de Luta e garante vaga olímpica

Entre as seis mais bem colocadas, atleta obtém vaga para o Brasil

Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2015 | 19h16

Medalhista de prata no ano passado, Aline Silva brilhou mais uma vez no Mundial de Luta, que está sendo realizado em Las Vegas, nos Estados Unidos. A brasileira venceu três combates no primeiro bloco de lutas nesta quinta-feira e, na semifinal, perdeu para Adeline Gray. Mesmo assim, ela garantiu uma vaga para o Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016.

Só não é possível afirmar que Aline carimbou o seu próprio passaporte para a Olimpíada porque as vagas em disputa no Mundial pertencem ao país, não ao atleta. Assim, caberá à Confederação Brasileira de Lutas Associadas (CBLA) apontar quem usufruirá da vaga, ainda que a escolha seja obviamente por Aline, que alega sequer ter uma rival da mesma categoria de peso no País.

Com isso, o Brasil terá pelo menos cinco representantes nas competições de luta dos Jogos Olímpicos do Rio. Como sede do evento, o País recebeu quatro convites, que poderão ser utilizados em qualquer uma das 18 categorias da modalidade. São seis em cada uma das três disciplinas: luta livre masculina, luta livre feminina e luta greco-romana masculina.

Nas últimas três vezes que o Brasil participou das competições de luta nos Jogos Olímpicos, teve um único representante. Roberto Neves Filho competiu em 1992, Antoine Jaoude em 2004, Rosângela Conceição em 2008 e Joice Silva em 2012. Só em 1988 a delegação teve dois atletas: Roberto Neves Filho e Floriano Spiess.

Para o Rio, a tendência é que mais atletas obtenham a vaga olímpica. Além do Mundial, há outras três fases de classificação: os continentais (vagas para campeão e vice de cada categoria), o primeiro Pré-Olímpico Mundial (três primeiros do masculino, duas primeiras no feminino) e o segundo Pré-Olímpico (dois primeiros).

VEGAS

No Mundial deste ano, que iniciou na terça-feira, a campanha brasileira era muito ruim até a estreia de Aline Silva. Na luta greco-romana, André Felipe Feitosa (até 66 kg), Ângelo Moreira (até 75 kg), Davi Albino (até 98 kg) e Ronisson Santiago (até 85 kg) perderam na estreia. Diego Romanelli (até 59 kg) e o armênio naturalizado Eduard Soghomonyan (até 130 kg) tiveram uma vitória e uma derrota cada. Ambos se tornaram os primeiros brasileiros a vencerem combates na luta greco-romana na história dos Mundiais.

Na luta livre feminina, Kamila Barbosa (até 48 kg), Gilda Oliveira (até 60 kg), Giullia Penalber (até 53 kg), Joice Silva (até 58 kg) e Laís Nunes (até 63 kg) perderam logo na estreia. As últimas duas lutaram nesta quinta-feira.

Aline Silva, da categoria até 75 kg, salvou a campanha. Fez 6 a 1 na cubana Lisset Medina, ganhou da casaque Guzel Manyurova por 7 a 5 e chegou à semifinal vencendo a russa Ekaterina Bukina por 5 a 4. Na semifinal, ela enfrentou sua maior algoz: a norte-americana Adeline Gray, de quem perdeu na final do Mundial do ano passado e na estreia dos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Perdeu mais uma vez, por 10 a 2, mas carimbou a vaga do Brasil para os Jogos de 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.