Alonso diz que se aposentará feliz sem novo título na F1, mas admite manter sonho

A temporada 2016 da Fórmula 1 marca para Fernando Alonso os dez anos da conquista do seu segundo título mundial - ele já havia sido campeã em 2005. Depois disso, brigou várias vezes para voltar a levar o Mundial de Pilotos, mas não teve sucesso. Agora, aos 35 anos, sofre com a falta de competitividade do carro da McLaren. Mesmo assim, garante que não vai se aposentar decepcionado caso não conquiste mais títulos, classificando como "perfeita" a sua carreira.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

08 de agosto de 2016 | 15h04

"Eu tenho muita sorte por em toda a minha carreira ter lutado por campeonatos. Sim, houve mais boas oportunidades para mim, mas por uma razão ou outra não aconteceu", disse Alonso, dono de três vice-campeonatos, que se os tivessem se concretizado em títulos, teriam igualado a marca de cinco do argentino Juan Manuel Fangio, o segundo maior campeão da Fórmula 1, atrás apenas das sete conquistas do alemão Michael Schumacher.

"Sim, provavelmente (faltou sorte), mas a minha carreira também poderia ter terminado no kart. Então, tudo está perfeito para mim", acrescentou o espanhol em entrevista ao site oficial da Fórmula 1.

Alonso também admitiu que o modo como encara os fracassos e sucessos se alterou com a passagem dos anos. "Você muda em todos os modos, não apenas como um piloto. Uma pessoa com 19 anos é completamente diferente da que tem 35. Isso vale para qualquer tipo de relacionamento: família, amigos, com a equipe, os métodos de trabalho e, claro, os meios de comunicação", disse.

Apesar dessa abordagem mais filosófica e menos competitiva, Alonso garante que não perdeu o desejo pelas vitórias. E ele acredita que ainda pode voltar a ser campeão na Fórmula 1, a partir da temporada 2017, quando a categoria passará por alterações profundas no seu regulamento, dando a expectativa de que o atual domínio da Mercedes poderá ser afetado.

"Com o novo regulamentos em vigor no próximo ano, provavelmente vai ter a emoção de volta, como os carros sendo muito mais atraentes e muito mais rápidos. Outro campeonato é a meta final, e estamos trabalhando arduamente nesse projeto", concluiu o piloto da McLaren.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.