Alonso e Vettel podem correr juntos na Ferrari

Dirigente italiano diz que os pilotos têm condições de conviver sem brigas e causa agitação, mas isso só será possível em 2015

LIVIO ORICCHIO / VALÊNCIA, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2012 | 03h09

Fernando Alonso e Sebastian Vettel têm experiência suficiente para saber que hoje, no circuito da Comunidade Valenciana, onde amanhã começam os treinos livres do GP da Europa, serão submetidos a uma sabatina pela imprensa internacional. Stefano Domenicali, diretor da Ferrari, afirmou que "os dois podem coexistir juntos''. A declaração serviu para alimentar os rumores cada vez mais fortes de que ao término do contrato de Vettel com a Red Bull, no fim de 2014, dois dos maiores talentos da Fórmula 1 atual poderiam ser companheiros de equipe na Ferrari.

O compromisso de Alonso com a equipe italiana se estende até 2016. Vettel não esconde "sonhar'' em competir pela Ferrari em algum momento. Na entrevista concedida ao Sport Bild, publicação alemã, Domenicali disse que "são dois rapazes inteligentes'' e capazes de compartilhar a mesma escuderia.

Bernie Ecclestone adorou a ideia. Seria uma superpromoção para a Fórmula 1. "Os dois são pilotos que estão sempre procurando novos desafios e defenderem o mesmo time seria um grande desafio.''

O dirigente inglês resgatou sua experiência como proprietário e chefe de equipe, em 1979. "Seria como fiz com Niki Lauda e Nelson Piquet. Eu lhes disse: 'Rapazes é muito simples, quem se mostrar o mais rápido será o número 1'.''

O histórico de Alonso, porém, é de não aceitar bem competir com um companheiro quase tão competente quanto ele. E tanto Domenicali quanto o presidente da empresa, Luca di Montezemolo, vêm regularmente afirmando que "Alonso é como Schumacher'', referindo-se à importância e capacidade do espanhol para levar a Ferrari a ser campeã novamente.

Ao menos hoje parece pouco provável que os dois aceitassem correr o risco de ter de administrar o inevitável confronto entre Alonso e Vettel.

Ontem, a Ferrari realizou com sucesso um leilão a fim de recolher fundos para socorrer as vítimas do terremoto na região da equipe, Emilia Romagna, no mês passado. No total, foram arrecadados 1,8 milhão (R$ 4,5 milhões). Só o modelo 599 exclusivo foi arrematado por um colecionador norte-americano por 1,4 milhão (R$ 3,5 milhões). Alonso e Felipe Massa farão a entrega do carro em Monza, em setembro, durante o GP da Itália.

Ontem, no início da noite, a temperatura em Valência era de 29 graus C. Durante o dia atingiu 34 graus C. Esse é o cenário esperado para os três dias de competição do GP da Europa. A primeira sessão, amanhã, será das 5 às 6h30, horário de Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.