Alonso leva Ferrari de volta à pole

Espanhol se diz emocionado por largar na frente em Monza. Equipe não liderava grid desde 2008. Massa é 3º

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2010 | 00h00

Emocionado, Fernando Alonso disse, ontem: "Uma das minhas pole positions mais bonitas. A primeira com a Ferrari e no lugar perfeito." Depois de quase dois anos, o time italiano volta a largar em primeiro diante da sua torcida, no GP da Itália, e no seu templo, Monza. Para confirmar o surpreendente potencial da equipe, Felipe Massa larga hoje em terceiro. O bom público no autódromo mais antigo e veloz do calendário, inaugurado em 1922, vibrou com a conquista de Alonso. Desde o GP do Brasil de 2008 a Ferrari não obtinha uma pole position.

Mas os pilotos da equipe italiana sabem que a McLaren será difícil de ser vencida, hoje. Jenson Button, atual campeão do mundo, larga em segundo e o seu companheiro, o líder do campeonato, Lewis Hamilton, em quinto. Eles parecem dispor também de um carro bem acertado para as 53 voltas da corrida, com largada às 9 horas e transmissão ao vivo da TV Globo.

"Estou surpreso. Parei o carro, mas havia pilotos ainda na pista e achei que no final alguém iria ser alguns milésimos mais rápido, como já aconteceu este ano", disse o espanhol. "Felizmente não foi o caso. Precisamos de no mínimo um pódio aqui para permanecer na luta (pelo título)." Alonso é o quinto no campeonato, com 141 pontos. Hamilton soma 182, seguido por Mark Webber, da Red Bull, 179, quarto no grid. Como Sebastian Vettel, também da Red Bull, larga em sexto, ontem o time do melhor carro da temporada teve seu pior resultado numa classificação até agora este ano.

Webber comentou esperar dificuldades em Monza. "É um traçado onde corremos com pouca pressão aerodinâmica e nessas condições nosso carro não responde como em outras pistas." Claramente seu objetivo será somar pontos no GP da Itália. "Nos defenderemos, como fizemos no Canadá, e não fomos mal." Em Montreal, de características semelhantes a Monza, Webber foi quinto e Vettel, quarto.

Frustração. Quem não estava com cara de bons amigos depois do treino de ontem era Massa. Havia sido o mais rápido na primeira parte da classificação (Q1), mas no fim ficou a 331 milésimos de Alonso. "Estou contente por saber que nosso carro deverá ser veloz na corrida, mas não satisfeito porque hoje poderia conquistar a pole." Explicou a queda de rendimento: "Na segunda parte, meu melhor tempo veio na terceira volta do pneu novo. Tentei o mesmo no Q3 e funcionou ao contrário."

Mais uma vez a Mercedes colocou apenas Nico Rosberg (sétimo) entre os dez primeiros. Os 5.793 metros de Monza mostraram de novo que uma das maiores dificuldades de Michael Schumacher nessa sua volta são as freadas, muito seletivas em Monza. O alemão larga em 12.º. Já venceu cinco vezes no circuito mais veloz da Fórmula 1 (1996, 1998, 2000, 2003 e 2006, todas com a Ferrari), onde na freada da primeira chicane se chega a 345 km/h.

Outro vencedor frequente do GP da Itália é Rubens Barrichello, em três ocasiões, 2002 e 2004, com Ferrari e no ano passado, pela Brawn. Hoje larga em décimo com a Williams. De quem se esperava mais era Robert Kubica, da Renault, nono no grid. Lucas Di Grassi, da Virgin, vem disputando bom fim de semana de competição e se classificou em 22.º. Bruno Senna conseguiu andar apenas ontem com o carro da Hispania. Larga em 23.º.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.