Altitude dá favoritismo ao Equador na Copa Davis

O Brasil enfrenta o Equador, a partir de sexta-feira, por uma vaga no playoff do Grupo Mundial da Copa Davis, em situação delicada. Apesar de a equipe comandada por Fernando Meligeni ter jogadores mais bem colocados no ranking (Flávio Saretta, 84º lugar, Marcos Daniel, 88º, Ricardo Mello, 187º e André Sá, 237º), o favoritismo é dado aos equatorianos, como lembrou o duplista Sá. ?É lógico que vamos sentir mais os efeitos da altitude de 2.500 metros de Cuenca e, por isso, acho que o Equador passa a ser o favorito neste confronto?, explicou.No Equador, o jogador mais bem colocado é Nicolas Lapenti, atual 101º colocado da ATP, mas que em 1999 chegou a ser top ten. Depois vem seu irmão mais novo, Giovani Lapenti, em 290º lugar, seguido de Carlos Avellan, 715º, e Julio Campozano, 740º. As duas equipes já treinam no Cuenca Tênis e Golf Club, local do confronto. A quadra 1 do clube está recebendo arquibancadas provisórias para 800 torcedores e os jogadores equatorianos dizem que a torcida será fator fundamental. O time brasileiro treinou na quadra 1 e existe uma certa preocupação com a drenagem do piso de saibro. Em alguns lugares, a superfície está irregular.O técnico Fernando Meligeni tem justamente esta semana um novo número 1 do País, Flávio Saretta, que passou Marcos Daniel na classificação da ATP. Assim, se o capitão brasileiro privilegiar o ranking para definir o seu time, Saretta enfrentaria Giovani Lapenti na sexta-feira, enquanto Marcos Daniel pegaria Nicolas Lapenti. Mas o treinador só pretende anunciar o time na quinta, dia do sorteio e sua escalação vai depender do desempenho dos jogadores nestes dias de treinamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.