Alto custo dificulta cobrir quadra

A cada ano que a chuva atrapalha o cronograma do US Open a Federação Norte-Americana de Tênis é alvo de críticas, por sua relutância em cobrir pelo menos a quadra Arthur Ashe e, assim, resolver o drama dos adiados de partidas. Mas a USTA (sigla da entidade) se defende: diz ser inviável fazer a cobertura, por causa do alto custo. Estima-se que sejam necessários US$ 100 milhões para fazer a obra.

, O Estadao de S.Paulo

13 de setembro de 2009 | 00h00

"É claro que gostaríamos de ter uma cobertura"", disse o diretor executivo da federação, Gordon Smith. "Mas está é uma daquelas situações em que é preciso analisar todos os aspectos práticos"", prosseguiu.

Para ele, simplesmente não é "pratico"" gastar tamanha fortuna para cobrir a quadra principal do complexo de Flushing Meadows. "Quando se analisa os custos, a situação fica complicada.""

O mau tempo atrapalhou a disputa do torneio feminino. As semifinais entre Serena Williams e Kim Clijsters e entre a surpresa dinamarquesa, de 19 anos, Caroline Wozniacki, contra a belga Yanina Wickmayer deveriam ser disputadas, simultaneamente, já no final da noite de ontem, pelo horário de Brasília. A intenção é que, mesmo cansadas, as vencedoras decidam hoje o título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.