Mowa Press/AE
Mowa Press/AE

Amistoso no Morumbi já assombra Mano

Histórico de vaias no estádio do São Paulo deixa treinador em alerta para o jogo diante da África do Sul

MATEUS SILVA ALVES, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2012 | 03h05

ESTOCOLMO - Nem bem havia acabado o jogo contra a Suécia, que a seleção brasileira venceu por 3 a 0, e Mano Menezes já estava pensando no próximo compromisso de sua equipe, contra a África do Sul, no dia 7 de setembro. O adversário não parece dos mais complicados, mas há algo que inquieta o treinador: o jogo será disputado no Morumbi. Por incrível que pareça, jogar em casa, especialmente em São Paulo, não é exatamente o sonho do treinador e dos jogadores da seleção.

A torcida paulista não costuma ter paciência com a equipe nacional quando as coisas não vão muito bem, sem falar que é uma das mais exigentes do País. Assim sendo, há chances consideráveis de a seleção ser vaiada no Morumbi se o futebol mostrado não for ótimo, especialmente porque os torcedores estão chateados pela derrota na Olimpíada. Mano, é claro, deseja muito que isso não aconteça.

"É muito duro não ter apoio", comentou o treinador. "Quando jogamos fora de casa, naturalmente não temos apoio, então dentro de casa precisamos ter isso, do contrário não será muita vantagem jogar em casa."

É evidente que o técnico, mesmo falando sobre o jogo contra a África do Sul, está pensando na Copa de 2014. Ele teme que a torcida brasileira se transforme em um peso para os jogadores da seleção e acabe atrapalhando o time, em vez de ajudá-lo.

O mesmo pensa Daniel Alves, que tem feito uma espécie de campanha para que os torcedores sejam pacientes com a equipe e a incentive sempre, como acontece na Espanha, país em que ele joga.

"A gente tem um evento espetacular dentro do nosso país, que é a Copa do Mundo, e todos têm de fazer um bom papel. Já que a Copa é nossa, todo mundo tem de contribuir de alguma forma para que o resultado final seja o melhor possível."

Para Daniel, o fato de o próximo jogo ser em São Paulo será um ótimo teste para a seleção e também para a torcida. "A gente aceita esse desafio, a gente está aqui para convencer o povo brasileiro de que quer melhorar, de que a gente quer fazer o nosso povo feliz. Queremos que todos tenham orgulho da seleção."

No ano passado, a equipe viveu a situação desagradável de ser vaiada em casa no amistoso contra a Holanda, em Goiânia. Tudo o que o treinador não quer é que aquilo se repita no Morumbi. "Nós jogamos contra o time que era vice-campeão mundial e empatamos por 0 a 0 jogando com um a menos após a expulsão de Ramires. E a torcida ficou gritando 'olé' quando a Holanda tocava a bola. Isso não tem o menor cabimento."

Mano vai convocar na quinta-feira, no Rio, a seleção para os amistosos contra a África do Sul, em São Paulo, e a China, no dia 10, no Recife. O grupo será muito parecido com o que esteve na Suécia. O lateral-esquerdo Marcelo, que cumpriu suspensão contra os suecos, deve voltar. E é pouco provável que Ganso, dispensado pelo técnico na Suécia, seja incluído na lista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.