Wander Roberto/COB
Wander Roberto/COB

Ana Marcela Cunha confirma o favoritismo e vence a maratona aquática no Pan

Viviane Jungblut terminou na terceira colocação, conquistando a medalha de bronze e fazendo a dupla brasileira no pódio

Redação, Estadão Conteúdo

04 de agosto de 2019 | 20h38

Em um domingo cheio de medalhas para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, a primeira de ouro do dia foi na maratona aquática. Maior vencedora de provas em águas abertas, Ana Marcela Cunha conquistou o ouro da prova de 10km com o tempo de 2h00min51s9, mais de 31 segundos à frente da argentina Elisabeth Biagioli, e trouxe uma medalha inédita para o País.

"Essa é a primeira medalha de ouro na história da maratona aquática, a gente vinha de duas pratas com a Poliana (Okimoto). Acho que ela abriu muito o caminho para a gente. Eu espero continuar seguindo esse mesmo caminho em busca de uma medalha olímpica também. Acredito que esse resultado é fruto do investimento que a gente tem hoje no Rio de Janeiro, no CT do Maria Lenk. É uma conquista do Time Brasil", disse.

"Muito feliz, não tinha nenhuma medalha de Pan. É minha terceira edição competindo e estou feliz de sair hoje (domingo) com a de ouro", completou Ana Marcela Cunha. Viviane Jungblut terminou na terceira colocação, conquistando a medalha de bronze e fazendo a dupla brasileira no pódio.

Outras medalhas do Brasil neste domingo foram as primeiras do atletismo. No início de uma manhã chuvosa em Lima, foram disputadas as provas masculina e feminina dos 20km da marcha atlética. Erica Sena completou a prova na terceira colocação, garantindo a medalha de bronze, enquanto que Caio Bonfim conquistou a prata.

Para Entender

Pan-Americanos 2019: saiba como assistir ao torneio que será disputado em Lima

Competição vai ter transmissão ao vivo na TV aberta, fechada e online

"Foi uma prova dura com piso molhado, arbitragem sem tanta experiência. Tive que fazer uma prova estratégica. Mas, graças a Deus, consegui me manter no pelotão e desgarrei quando tinham apenas três. Virei a última volta em primeiro, mas preferi manter a técnica e não arriscar muito para não ser eliminado, como aconteceu comigo em 2011. Dedico essa medalha à minha esposa que está com meu filho que nasceu há uma semana", disse Caio Bonfim.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.