Ana Marcela: do inferno ao céu em Xangai

Primeira nadadora brasileira a conquistar o ouro no Campeonato Mundial de Desportos Aquáticos, a baiana Ana Marcela Cunha, de 19 anos, disse que foi "do inferno ao céu" ao vencer a prova dos 25 quilômetros da competição de Xangai, quatro dias depois de não se classificar para a Olimpíada de Londres.

Rejane Lima / SANTOS,

27 de julho de 2011 | 01h29

"Fui para a China com objetivo de nadar as três provas (10 km, 25 km e 5 km) e agora eu tenho de valorizar o que está aqui do lado, a medalha de ouro dos 25 quilômetros", disse a atleta da Unisanta, de Santos.

Eleita pela Fina a melhor maratonista aquática do planeta em 2010, depois de ser a mais jovem campeã da história do Circuito da Copa do Mundo, Ana Marcela terminou em 11.º na prova de 10 km do Mundial, distância olímpica. Ficou a uma posição de carimbar o passaporte para os Jogos de 2012. Entre as 10 classificadas, a brasileira Poliana Okimoto, em 6.º, conquistou uma vaga.

Ana Marcela continua sonhando com Londres, embora seu grande objetivo agora seja conquistar uma vaga para competir no Rio, em 2016. "Mas não é impossível ir para Londres, porque sou a primeira reserva. Na vez passada, a suíça, que era a primeira reserva, acabou indo e ficando em sexto em Pequim."

Tendo até então disputado provas de no máximo 12 quilômetros, Ana Marcela afirma que já foi um grande desafio completar os 25 km nas águas quentes da China, com temperaturas acima dos 30° C. "Mas sabia que estava treinada e já não tinha aquela pressão toda dos dez quilômetros. Então, me alimentei bastante durante a prova, foram 18 refeições contando água, pêssego em calda, Gatorade e Coca-Cola. Quando faltavam 800 metros, pensei: agora vai."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.