Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

ANÁLISE: Título sintetiza a garra do povo brasileiro, diz Carlos Burle

Surfista de ondas grandes comenta conquista de Mineirinho

O Estado de S. Paulo

19 de dezembro de 2015 | 07h00

O Brasil nunca tinha sido campeão mundial antes do Gabriel Medina, e isso era uma barreira muito grande. O Mineirinho sempre se esforçou, mas o surfista brasileiro era encarado como alguém que não tinha qualidade para ser campeão. Quando Mineirinho entrou no Circuito em 2006, ele era visto dessa maneira.

Era como se enxergassem qualidade nele, mas, mesmo com todo talento, não seria páreo para Kelly Slater, que conquistou quatro títulos desde que Mineirinho entrou na elite do surf. Já o Mick Fanning ganhou três.

No começo, Mineirinho construiu a imagem do brasileiro chato no Circuito. Era um cara que incomodava os outros, mas carregava o estigma do surfista brasileiro, que não aceitava muito bem os critérios subjetivos de pontuação.

O Mineirinho sempre soube que tinha capacidade para ser campeão mundial. Passou a ser exemplo para a nova geração de surfistas do País, um líder do que se chama hoje de Brazilian Storm. São garotos com um nível de surfe mais refinado, que passaram a colocar pressão em cima dos adversários.

Medina foi a gota que rompeu a represa ao conquistar o título mundial no ano passado. Mas não podemos nos esquecer que o Mineirinho foi muito importante para esse processo.

Contra Slater e Fanning no auge, ele vinha construindo esse título há vários anos. É um cara que lutou desde que subiu na prancha pela primeira vez até ser coroado no Havaí. Valeu o esforço, valeu a torcida. É um excelente competidor e sintetiza a garra do povo brasileiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Surfe, Mineirinho, Carlos Burle

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.