Josh Hedges/AFP
Josh Hedges/AFP

Anderson Silva alega inocência em teste positivo de antidoping

'Estou competindo há muito tempo, essa foi minha 19.ª luta no UFC. Passei por muitos exames e nunca dei positivo', diz o Spider

ALESSANDRO LUCCHETTI E PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

04 de fevereiro de 2015 | 21h21

Antes mesmo de receber o resultado da contraprova do exame de antidoping, Anderson Silva decidiu se pronunciar sobre o resultado positivo para os esteroides anabolizantes drostanolona e androsterona e garantiu que não se dopou. "Eu não usei nenhuma substância de aumento de performance. Minha posição sobre drogas continua sendo e sempre será a mesma. Eu advogo por um esporte limpo. Estou competindo há muito tempo, essa foi minha 19.ª luta no UFC. Passei por muitos exames durante esse período e nunca dei positivo para nenhuma substância", afirmou o brasileiro.

Para se proteger, o estafe do lutador já está recrutando uma equipe de advogados em Las Vegas para defender o lutador em julgamento disciplinar. A Comissão Atlética do Estado de Nevada vai ouvir o brasileiro no próximo dia 17 e ele pode receber uma suspensão de nove meses a um ano, além de multa, caso seja considerado culpado. "Estou fazendo consultas junto com minha equipe para explorar as opções que tenho e pretendo lutar contra essa alegação para limpar meu nome. Eu não vou fazer mais nenhum comentário até que receba qualquer indicação da minha equipe", continuou o atleta.

A demora para publicação do resultado é objeto de críticas dos fãs e outros lutadores. O chefe da Comissão Atlética de Nevada, Francisco Aguilar, diz que teria cancelado a luta se soubesse antes do resultado. Tanto a Comissão como o UFC dizem que só tomaram conhecimento do resultado na última segunda-feira. Como o UFC 183 arrecadou US$ 4,5 milhões, sem contar outros lucros com patrocinadores e venda de assinaturas pagas para ver o combate, especula-se que a divulgação teria sido "segurada" para evitar prejuízos e não estragar o retorno do brasileiro ao octógono após 399 dias.

Mas Daniel Eichner, diretor executivo do laboratório SMRTL, garante que é bobagem achar que houve uma atitude deliberada para adiar o resultado do exame. "Nós somos independentes e não temos conhecimento de quem está sendo testado. Recebemos uma amostra biológica, que vem por correio para gente. Então colocamos no sistema, mas vale lembrar que a análise é feita por uma numeração, o que garante o sigilo de quem está sendo analisado. Então não temos ideia de quem é a amostra e a que evento se refere. Muitas vezes essas análises levam um tempo para serem feitas", explicou, em entrevista para o site Yahoo! Sports.

Tudo o que sabemos sobre:
lutasUFCAnderson SilvadopingMMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.