André joga só meio tempo e é decisivo

Atacante entra no lugar de Neymar, faz um gol, mexe com o time, que estava apático, e mostra que merece ser titular

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2010 | 00h00

Entre os Meninos da Vila, André teve de se contentar com um papel secundário. Nem a artilharia do time no Paulista, ao lado de Neymar, foi suficiente para lhe garantir o posto de titular contra o Santo André. No Pacaembu, porém, teve sua importância reconhecida pela torcida. Entrou no intervalo, fez o gol de empate e mostrou que é a referência obrigatória no ataque santista. Foi ovacionado e teve o nome gritado antes mesmo do apito final.

André não tem a habilidade de Neymar, a classe de Paulo Henrique Ganso ou o peso de Robinho. Mas compensou com oportunismo e mexeu com o time na etapa final, entrando no lugar de Neymar.

Marcou um, fez o papel de pivô e abriu espaços para a chegada de Ganso e Marquinhos ao ataque. "O André sempre vai bem quando entra. Mas cabe ao Dorival decidir quem deve começar jogando", afirma Ganso.

O próprio técnico santista admite que a boa entrada do camisa 25 o deixou balançado. "Ele foi titular, teve uma queda de rendimento e saiu. Mas pode voltar a ser titular em breve."

Antes da partida, Dorival havia dito que a equipe fica muito ofensiva com três atacantes, mas a dupla Robinho e Neymar sentiu a falta de um jogador de área. "Com ele, ficamos com uma referência a mais na área. O André entrou superbem e ainda fez um gol", elogiou Robinho.

Decisivo. Em dois lances, o atacante desequilibrou e provou que tem lugar no ataque santista. No empate, aproveitou o bom cruzamento de Ganso e marcou de cabeça, junto à trave, seu 13.º gol na competição, isolando-se na artilharia santista. Em seguida, disputou a bola no alto e, com um lindo toque de calcanhar, puxou o contra-ataque que deu origem ao terceiro gol.

"Mais uma vez a gente prova que o elenco é forte. Quero dedicar o gol a Neymar. Disse que ia fazer um gol para ele", afirmou o atacante, que evitou polêmica sobre sua condição de reserva. "A opinião é do Dorival e respeito muito. Entrei bem, não sei se fiz a diferença, mas o importante é a equipe ter vencido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.