André, um super-herói no time de Bernardinho

Desde a chegada do técnico Bernardinho à seleção masculina de vôlei, a equipe tornou-se praticamente imbatível. E no time de "super-heróis", uma peça importante é André Nascimento, de 28 anos e 1,95 m, terceiro maior pontuador do Brasil (20 pontos) na primeira. André joga como oposto, o homem que, teoricamente, tem o maior potencial de ataque. Se a jogada não saiu como o planejado, o levantador tende a armar para o oposto definir o ponto "à força". E um dos grandes ídolos do jogador do Trentino, da Itália, é o Super-Homem.André nasceu em São João do Meriti, no Rio. Ainda bem pequeno, foi com os pais para Belo Horizonte. "Desde pequeno acompanho o Super-Homem. Gosto mesmo é daqueles filmes mais antigos. Até hoje eu gosto bastante de assistir. Achava que tudo aquilo era verdade", conta. "Acabava o filme e eu me empolgava, queria voar, era meu sonho."Quando viaja, André vai atrás de objetos do super-herói. "Sempre que encontro alguma coisa dele eu compro: camisetas, canecas...", enumera o tímido André. "Acabei de ganhar da Thaís, minha mulher, o box com todos os DVDs. São quatro dos filmes mais velhos e o mais atual, Superman, o Retorno." "Esses filmes marcaram demais a minha infância", admite o ídolo do vôlei. ?Prefiro os mais antigos, com o Christopher Reeve, quando a tecnologia não era tão evoluída", comenta o jogador.Sempre que viaja, o atleta procura por objetos do super-herói. "Sempre que encontro alguma coisa dele eu compro - camisetas, canecas...", enumera o tímido André. "Acabei de ganhar da Thaís, minha mulher, o box com todos os DVDs. São quatro desses filmes mais velhos e o mais atual, o Superman, o retorno."Mas, humilde e seguindo a filosofia da "família Bernardinho", ele quase não topou fazer esta matéria. "Não quero essa história de ser o Super-Homem da Seleção, ok? Aqui todo mundo tem a mesma importância", justificou o atacante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.