Divulgação
Divulgação

Andressa de Morais termina em quarto no lançamento de disco da Diamond League

Brasileira alcançou a marca de 63,77 metros, a melhor de sua temporada

Estadão Conteúdo

04 Maio 2018 | 16h18

A brasileira Andressa Oliveira de Morais garantiu nesta sexta-feira o quarto lugar no lançamento de disco na primeira etapa da Diamond League, que acontece em Doha, no Catar. Ela alcançou sua melhor marca da temporada com 63,77 metros.

+ Fabiana Murer investe em fisioterapia esportiva e cria seu método

Por apenas três centímetros a brasileira ficou fora do pódio. A cubana que ficou com o bronze atingiu a marca de 63,80m. O ouro foi para a croata Sandra Perkovic, bicampeã olímpica e bicampeã mundial, com 71,38m. A cubuna Yaimé Pérez, ficou com a prata, com 66,82m.

Andressa de Morais é a atual recordista sul-americana do lançamento de disco com marca de 64,68m. Sua melhor performance aconteceu no ano passado, no Campeonato Sul-Americano de Atletismo, disputado em Assunção, no Paraguai. Também em 2017 ela foi finalista no Mundial de Londres.

SEMENYA VENCE MAIS UMA

Também nesta sexta-feira, a sul-africana Caster Semenya dominou os 1.500 metros em Doha. Bicampeã olímpica na modalidade, ela completou a prova em 3min59s92, alcançando a melhor marca mundial do ano. A queniana Nelly Jepkosgei, com o tempo de 4min00s99, terminou em segundo lugar e a etíope Habitam Alemu ficou com o bronze ao completar a prova em 4min01s41.

Semenya está no centro da principal polêmica do atletismo na atualidade. Após testar três vezes com alto nível de testosterona, ela deve ser a principal afetada pelas novas regras impostas pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês). A partir de novembro haverá limite ainda maior para os níveis de testosterona para mulheres que competirem em provas que vão dos 400m aos 5 mil metros.

DOMÍNIO QUENIANO

O bicampeão olímpico e tricampeão mundial nos 800 metros, o queniano Emmanuel Korir, manteve o favoritismo e venceu nesta sexta-feira os 800 metros. Ele completou a prova em 1min45s21. O pódio foi completado por seus compatriotas. Elijah Manangoi ficou com a prata e Nicholas Kipkoech terminou com o bronze.

A disputa mais acirrada do dia aconteceu nos 3.000 metros femininos. E mais uma vez a prova terminou com domínio queniano. Caroline Kipkirui terminou quatro décimos de segundo à frente da compatriota Agnes Tirop e garantiu o ouro. Hyvin Kiyeng fechou o pódio da prova.

Nos 100 metros, Marie-Josee Ta Lou, da Costa do Marfim, ficou com a medalha de ouro ao bater a atual campeã olímpica, a jamaicana Elaine Thompson, que terminou com o bronze. A prata ficou com a nigeriana Okagbare-Ighoteguonor.

Mais conteúdo sobre:
atletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.