Andy Irons dá um show em Saquarema

O havaiano Andy Irons deu um show no primerio dia de competição da 10ª etapa do WCT, o maior torneio internacional de surfe. Ele venceu a bateria disputada com o brasileiro Alexandre Almeida e o australiano Richard Lovett, nesta quinta-feira, e se classificou para a terceira fase. Irons obteve uma nota 10 logo em sua primeira onda, na Praia de Itaúna, após dois tubos. Ele lidera o ranking da WCT e pode ser campeão mundial por antecipação, dependendo de uma combinação de resultados. Irons alcançou 19,5 de 20 pontos possíveis e disse acreditar que esta tenha sido sua melhor pontuação em etapas da WCT. O surfista parecia um pouco inibido com o assédio dos fãs, que ?invadiram? a cidade de Saquarema, no litoral norte do Estado do Rio. "Gosto desse carinho, me sinto bem", comentou. Ele estava satisfeito com a mudança do vento e das correntezas em Itaúna, o que deixou o mar em boas condições para a prática do surfe. "As ondas (de até dois metros) estão arrebentando, espetaculares." Para Irons, a Praia de Itaúna lembra um pouco as de Ehukai Park, no Havaí. Dos 16 brasileiros na etapa, apenas três conseguiram vencer suas baterias: Rodrigo Dornelles, Flávio Padaratz e seu irmão Neco. Com isso, também asseguraram passagem para a terceira fase. A vitória de Neco foi mais expressiva por ter sido conquistada sobre o vice-líder do ranking, Luke Egan. "Fui paciente para esperar a onda certa", comentou Neco. Egan se recuperou na repescagem, ao derrotar Alexandre Almeida, e permanece na briga pelo título do WCT. Ainda na parte da tarde, o brasileiro Léo Neves conseguiu se recuperar do insucesso na manhã, quando ficou em segundo em sua bateria, e venceu o australiano Daniel Wills, se classificando para enfrentar Andy Irons. As baterias foram acompanhadas por centenas de pessoas e o dia ensolarado acabou atraindo mais gente do que o esperado, na véspera. O circuito de Saquarema é chamado de Coca-Cola Surf e vai distribuir US$ 250 mil aos vencedores, em premiação. O primeiro colocado receberá US$ 30 mil, além de mil pontos no ranking.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.