Andy Irons: ''Vou voltar a disputar títulos''

HAVAIANO, DE 31 ANOS, LARGOU O CIRCUITO MUNDIAL NO FIM DE 2008

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2010 | 00h00

Em termos de surfe, Andy Irons não precisa provar mais nada para ninguém. Tricampeão mundial (2002 a 2004), foi um dos poucos que conseguiram tirar títulos de Kelly Slater quando o lendário norte-americano ainda estava no auge e era considerado praticamente imbatível. Mas o tempo passou, o havaiano parou de sentir aquele apetite por competir e largou o circuito no final de 2008.

"Eu só queria colocar a cabeça no lugar", diz o surfista de 31 anos. Mais maduro, bem mais simpático do que quando disputava os holofotes do circuito mundial com Kelly Slater, entre um autógrafo e outro a uma horda de fãs, Andy Irons falou ao Estado sobre o seu retorno e a rivalidade com o mito.

Você está de volta ao circuito bem diferente de quando o abandonou, há um ano. Tudo isso é felicidade?

Sim, é assim que me sinto. Eu realmente precisava de um ano fora. Tenho muita sorte de ter recebido esta oportunidade, de ter conseguido retomar meu amor pelo surfe. Isso é uma grande conquista. Tinha me esquecido porque havia começado a surfar. Durante este tempo longe do circuito, passei muito tempo refletindo e reencontrei o motivo de ser um surfista.

Você disse que parou porque estava confuso. Isso passou?

Não sabia o que queria da vida. Com o tempo, percebi que o surfe é a coisa mais importante. Era uma competição atrás da outra e não aproveitava, não tirava um tempo para fazer free surf (surfe fora de competição). O surfe se tornou um trabalho. E não é isso. É preciso prazer.

Você esteve em duas etapas como convidado. Quais são seus planos?

Eu já competi mais do que jamais sonhei. Um título mundial já parecia impossível e ganhei três. É incrível. Agora tudo o mais será um bônus. Contanto que eu esteja aproveitando, me divertindo, e sendo pago para surfar, está ótimo (risos).

Logo antes de se afastar do circuito lembro que você disse que, se voltasse, seria para vencer. Você se coloca esse tipo de pressão?

Quando eu entro numa competição quero vencer. Sou como todo mundo. Se eu não pensasse assim, qual seria o sentido de estar aqui de novo? Coloquei um objetivo para mim que é o de tentar o máximo que puder.

Você vai competir em 2011?

Neste ano vai funcionar para mim como aquecimento. Tenho de trabalhar muito, me esforçar para estar no nível dos melhores. No ano que vem quero disputar com tudo novamente, voltar a disputar títulos.

As pessoas falam de uma forte rivalidade com o Kelly Slater. Isso influenciou na sua volta?

São apenas notícias. Houve um tempo em que o relacionamento com Kelly era intenso, havia rivalidade. Agora está tudo bem. Somos amigos. É claro que, numa competição, eu vou querer ganhar dele tanto quanto ele vai querer ganhar de mim.

Aqui as pessoas realmente estão te procurando, lembram quem você é, querem um autógrafo. Você está sentindo o gosto de ser um grande surfista novamente, não?

Muito. Veja quantas pessoas estão aqui. O campeonato será radical. Tenho recebido elogios, palavras de incentivo e isso conta muito. Nunca venci aqui. Espero que elas possam continuar me apoiando tanto quanto um surfista local. Me esforçarei ao máximo para recompensa-las.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.