Márcio Fernandes/AE
Márcio Fernandes/AE

Anhembi refaz a pista para evitar 'samba'

Piso da área onde está o Sambódromo passa por reforma para que, desta vez, carros não sofram com a falta de aderência

GIULIANDER CARPES, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2011 | 00h00

SÃO PAULO - A prova de 2010 serviu como teste - e o circuito de rua de São Paulo passou com ressalvas. Para a corrida da Fórmula Indy que terá largada no domingo, a organização tomou precauções para que os problemas de ondulações excessivas e, principalmente, falta de aderência na Reta do Samba e alagamentos da pista tenham sido solucionados.

Os pilotos saíram de São Paulo reclamando: seus carros pulavam ou escorregavam demais. Todo o asfalto por onde os carros da Indy passarão a partir de sábado, para os treinos livres e de classificação, então foi refeito quase um mês antes da realização da prova. Os organizadores dizem que é impossível evitar totalmente as ondulações - os carros da categoria até estão razoavelmente adaptados a elas -, mas, com as obras, a condição do asfalto ficou significativamente melhor do que a do ano passado.

Os trechos alterados abrangem 1,5 km da Marginal do Tietê - a maior reta da categoria - e parte da Avenida Olavo Fontoura, atrás do Parque de Exposições do Anhembi. Ali fica a parte do pit lane (boxes), que nesta quarta, quando o Estado fez uma avaliação da pista, estava recebendo os últimos retoques, como pintura e sinalização. Os carros e equipamentos da categoria também estavam sendo descarregados na quarta no local

A maior mudança, no entanto, está na Reta do Samba. Os carros literalmente sambaram na pista lisa dias depois do carnaval do ano passado. Desta vez, a organização teve mais tempo para trabalhar: passou uma camada nova de concreto e ainda fez pequenas ranhuras no solo, que aumentam bastante a aderência, embora ali as ondulações sejam ainda maiores que no restante do traçado.

"O sambódromo foi feito para o carnaval, não para carros de Fórmula Indy. Faltou tempo para adequar a pista no ano passado, mas acredito que agora não teremos surpresas desagradáveis", explica Everaldo Junior, diretor de eventos da SPTuris (empresa pública de turismo e eventos da cidade de São Paulo).

Na prova de 2010, a organização foi obrigada a fazer alterações na pista durante a madrugada de sábado para domingo. Tudo que tentou evitar com as obras tocadas com antecedência para o evento deste ano.

Hino Nacional. A organização da prova em São Paulo inovou este ano: o cantor sertanejo Luan Santana vai interpretar o Hino Nacional antes da prova. Já a brasileira Luciana Melo deve cantar o hino americano para agradar os comandantes das equipes da Indy.

AS MELHORIAS NO CIRCUITO

Reta do Samba: a reta do sambódromo foi um dos maiores vexames da prova no ano passado. A superfície lisa fez com que os carros "sambassem" e provocou mudanças de última hora em 2010. Para este ano, o piso de concreto recebeu uma fresagem. A aderência deve aumentar.

Asfalto da Marginal do Tietê e da Olavo Fontoura: as pistas das duas vias foram reformadas. O asfalto ficou semelhante ao do circuito de Interlagos. Ainda há ondulações e como o trânsito não foi interrompido após a alteração, a dificuldade ainda deve ser um pouco sentida.

Alagamentos: Em 2010, o circuito de rua do Anhembi sofreu com as chuvas. Houve pontos de alagamento, principalmente na junção da Marginal com o Sambódromo, que obrigaram a prova a ser interrompida. Foram feitas obras de escoamento e ainda não houve novas inundações.

Veja também:

linkVirose ameaça presença de Tony Kanaan

Tudo o que sabemos sobre:
velocidadeFórmula IndyAnhembi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.