Ansiedade cerca o Palmeiras

Luxemburgo tenta tirar o peso do jejum, mas é difícil

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

26 de abril de 2008 | 00h00

O técnico Vanderlei Luxemburgo pode até falar que não, mas a verdade é que os jogadores do Palmeiras sentem o peso de o clube estar há tanto tempo sem ganhar um título de expressão, desde a Taça Libertadores de 1999. Os torcedores estão com o grito de "é campeão" preso na garganta. E sonham poder soltá-lo no dia 4 de maio, domingo, quando o time recebe a Ponte Preta na grande decisão do Campeonato Paulista.Hoje, o Palmeiras faz o primeiro jogo da final em Campinas. Os atletas esperam conseguir uma vitória já agora, para ter mais tranqüilidade na semana que vem. O problema do time vai ser superar o desgaste físico e emocional, já sentido na partida de quinta-feira, no empate sem gols com o Sport pelo primeiro jogo das oitavas-de-final da Copa do Brasil.A canseira, de acordo com o elenco, foi resultado das dificuldades nos dois jogos das semifinais do Estadual contra o São Paulo. "O desgaste foi grande nesses dois jogos", contou Denilson. "E faz muito tempo que o Palmeiras não ganha títulos, o que aumenta nossa responsabilidade dentro de campo."Desde sua chegada, no começo do ano, Luxemburgo tenta tirar a pressão do elenco. Já disse, inúmeras vezes, que quem está hoje no elenco não é culpado pelo jejum de títulos alviverde. Os jogadores adotaram o discurso, mas sabem que a cobrança da torcida por um troféu é grande. "O Vanderlei é muito mais experiente que nós jogadores. A gente não deixa de pensar em ser campeão num clube que não ganha nada há muito tempo", disse Denilson. "Isso nos motiva ainda mais", falou o atleta.Os jogadores querem colocar seus nomes na história do Palmeiras. A última vez que o time venceu o Estadual foi em 1996, também com Luxemburgo como treinador. Todos estão ansiosos. "É muito tempo sem título", disse o volante Pierre. "Uma semana assim mexe muito com o lado emocional. O pessoal telefona e só fala da decisão, é assim na rua também", contou. "Vamos com tudo para cima da Ponte para acabar com essa ansiedade da torcida."Valdivia também não vê a hora de o jogo de hoje começar. "Quem falar que não está nervoso com certeza estará mentindo", declarou o meia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.