Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

Ansioso, basquete do Brasil exalta vitória importante

Equipe se saiu bem na defesa, mas oscilou no ataque e sofreu alguns 'apagões' diante da Austrália

AE, Agência Estado

29 de julho de 2012 | 10h25

LONDRES - Os jogadores da seleção brasileira masculina de basquete admitiram que a ansiedade provocada pela ausência de 16 anos na Olimpíada e a pressão para não tropeçar na estreia afetaram o desempenho da equipe neste domingo, na vitória por 75 a 71 sobre a Austrália, pela primeira rodada do Grupo B. No duelo, a equipe se saiu bem na defesa, mas oscilou no ataque e sofreu alguns "apagões".

"A ansiedade tomou conta mesmo por ser o primeiro jogo. Sabíamos que tínhamos que ganhar para ter uma vantagem na sequência. Foi tenso, mas passou o primeiro jogo e o nervosismo. Vamos seguir fortes na competição", prometeu o ala Marquinhos, em entrevista ao SporTV.

O armador Marcelinho Huertas também reconheceu os erros cometidos pelo Brasil diante da Austrália pela tensão da estreia, mas ressaltou a importância do triunfo para a equipe na sequência da Olimpíada. Ele lamentou que a equipe não tenha conseguido manter a vantagem de mais de 10 pontos obtida durante o terceiro período.

"Tivemos um pouco de ansiedade, com erros em arremessos e passes. A gente se encontrou, fizemos 13 pontos, tivemos chance de abrir mais. Não soubemos controlar. Tivemos alguns erros. Eles jogaram na correria e nos castigaram nos contra-ataques. Mas soubemos administrar, mesmo que tenhamos errado um pouco no final. Mas é uma vitória muito importante", disse.

O pivô Tiago Splitter reconheceu que o Brasil teve problemas diante da Austrália, que serão alvos de cobrança do técnico Rubén Magnano e precisarão ser sanados para os próximos compromissos. "Ainda tem tempo para analisar nossos erros, não tem bronca. Apenas uma advertência. Mas mostramos que mesmo jogando mal, você pode ganhar. Foi assim hoje", comentou.

Para Marcelinho Machado, a vitória sobre a Austrália vai deixar o Brasil mais tranquilo para o próximo compromisso na Olimpíada, na terça-feira, contra a anfitriã Grã-Bretanha. "Essa foi uma vitória importante, que abre portas para a sequencia", disse. "Vir de vitória é sempre melhor", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.