Antigos astros receitam paciência ao torcedor

Paciência. Essa é a receita que ex-jogadores que brilharam com a camisa alviverde dão ao torcedor neste momento difícil do Palmeiras. Para eles, o desafio do time é esquecer a eliminação no Campeonato Paulista e concentrar atenção na disputa da Taça Libertadores nestes poucos dias que separam as duas competições.Aos 67 anos, Ademir da Guia, o Divino, maior camisa 10 da história do clube, ensina que os jogadores precisam voltar a acreditar em si próprios. "Todos que chegaram ao Palmeiras têm qualidade, senão não estariam aqui", afirma. "Agora cabe ao Luxemburgo, com toda a competência que tem, passar essa confiança aos atletas."O camisa 8 Leivinha, que, assim como Ademir da Guia, viveu os tempos áureos da Academia de Futebol, também aposta na busca da tranquilidade para tornar o quadro favorável. "Não é hora de avaliar se este grupo é ou não o ideal, nem para ficar falando em troca de treinador", pondera. "O time tem um jogo importante pela Libertadores e precisa pensar só nisso. Depois, vamos avaliar o que pode e deve ser melhorado no elenco montado pelo Luxemburgo."Para Mário Travaglini, o técnico que mais vezes assumiu o Palmeiras (dez), o trem descarrilou de um trilho, mas ainda resta outro. "O que passou é passado. Não adianta ficar lamentando. Ainda há um trilho para o time seguir seu caminho, que é a Libertadores", aconselha.Já para o ex-goleiro Gilmar, que defendeu o time de 1978 a 1983, é importante também o Palmeiras voltar a se sentir bem em casa. "No meu tempo, jogo no Palestra era bicho garantido. Agora, a comissão técnica precisa trabalhar esse lado psicológico do time, que parece ter medo de sua casa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.