Antônio Carlos quer a presidência

Cheio de poder, dirigente fala em chegar ao topo no Corinthians

Cosme Rímoli, ITU, O Estadao de S.Paulo

11 de janeiro de 2008 | 00h00

Seguir o caminho de Karl-Heinz Rummenigge no Bayern de Munique. Esse é sonho do todo-poderoso Antônio Carlos. O ex-zagueiro, e atual diretor-técnico, quer acabar na presidência do Corinthians."Sei que a minha carreira como dirigente vai depender muito do sucesso imediato no Corinthians", admite. "Por isso, fui procurar os jogadores certos, que o Mano Menezes indicou, com a verba reduzida que tínhamos", explica. "Até agora são 12 atletas de confiança. O Corinthians será outro." Antônio Carlos, 38 anos, merece mesmo ser chamado de todo-poderoso. "Ele é meu irmão", avisa o presidente Andrés Sanchez. "Tem a minha total confiança para negociar em nome do Corinthians. Ele faz negociações que só sei depois", conta. "Conheço futebol como torcedor", emenda o vice de futebol, Mário Gobbi. "Confio no Antônio Carlos, porque ele é especialista." Nenhum dirigente dos clubes grandes do Brasil tem tanta autonomia. Antônio Carlos, porém, colocou a credibilidade em risco com a dúzia de jogadores que contratou - o último foi o lateral-esquerdo André Santos, que hoje se apresenta em Itu. "Tem gente falando besteira, que contratei de baciada. Mas essa baciada foi escolhida com critério. São jogadores que o Mano aposta e conheço; não decepcionarão."O dirigente tem usado até relações de amizade para contratar. "Ele me convenceu de que é melhor jogar a Série B com o Corinthians do que a Libertadores com o Santos", diz o lateral-direito Alessandro, seu ex-companheiro na Vila Belmiro. "Confiei no meu amigo."Depois de domar Felipe, segurar Fábio Ferreira, dispensar Vampeta e Betão sem drama, o diretor revela que o que já acha bom agora ficará muito melhor em maio. "Vai chegar dinheiro para trazer pelo menos mais três jogadores de talento", antecipa Antônio Carlos. E, depois, revela seu sonho. "Quero ser um grande dirigente. Adoraria virar presidente do Corinthians." A caminhada já começou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.