Aos 19, Iziane ?flutua? na Vila Olímpica

Iziane Castro Marques tinha 15 anos quando deixou São Luís do Maranhão, para jogar basquete em Osasco. Aos 19, já estava na Europa, jogando na Espanha. Ainda passou pela França e pelos Estados Unidos e agora, com apenas 22 anos, irá resolver - depois de pelo menos 15 dias de férias depois da Olimpíada de Atenas - se volta para jogar no Brasil ou vai para a Rússia. É a "magrinha" da seleção, com 1,81 m e 64 kg, dona de excelente basquete.AE - Como foi chegar em Osasco para morar em república aos 15 anos?Iziane - Levei uns seis meses para me adaptar. Era a caçula da família. Lá, não tinha ninguém por perto, tinha de estudar à noite, era muita diferença.AE - E Europa, então?Viajei com 19 anos para a Espanha, onde jogaria quatro meses. Foi outra adaptação, até mais complicada porque era outro país. A saudade era igual: estar longe cinco ou dez horas de avião dá na mesma...AE - Depois, Estados Unidos.Sim. Miami, em 2002. França, na temporada 2002/2003, Espanha na 2003/2004, pelo Perfumería Avenida, de Salamanca.AE - E que tal Salamanca?Muito bonita, uma cidade de estudantes...AE - Iziane, aos 22 anos, você já é uma cidadã do mundo, fala um pouquinho de cada língua...Eu me sinto assim mesmo! Uma cidadã do mundo... Conheço gente de todo lugar, faço amigos por onde eu passo. Amigos para toda a vida.AE - A próxima temporada?Tenho propostas do Brasil e da Rússia. Vou pensar. Mas antes tiro 15 dias de férias depois da Olimpíada.AE - Que tal a Olimpíada, a Vila Olímpica?É diferente. Encontro pessoas que nunca imaginei encontrar. Estamos aqui juntos e todos com o objetivo de medalha. Guga, Gustavo Borges, Venus Williams, o Tim Duncan, o Allen Iverson da NBA, o Yao Ming... Do Brasil, todos. A gente vê os jogos, torce por eles, e merecemos tirar fotos juntos, né? Nosso momento tiete! Quero ver algum jogo do Brasil, se a gente tiver chance, um tempinho... Torcer pessoalmente.AE - E você, olímpica pela primeira vez?O primeiro dia foi de festa. Sabe, eu me senti flutuando na quadra. É muita emoção. Flutuando mesmo. Foi a forma como me senti...

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.