Carmen Jaspersen/AFP
Carmen Jaspersen/AFP

Após 1ª derrota, Dueñas lamenta início ruim do Brasil contra russas

Seleção feminina de handebol perdeu da Rússia por 24 a 16

Estadão Conteúdo

05 de dezembro de 2017 | 21h30

A seleção brasileira feminina de handebol perdeu pela primeira vez no Mundial da Alemanha. Nesta terça-feira, na cidade de Oldemburg, as comandadas do técnico espanhol Jorge Dueñas foram presas fáceis diante da campeã olímpica Rússia, que confirmou o favoritismo ao fazer 24 a 16 (14 a 7 no primeiro tempo) sem muita dificuldade.

+ Brasil cai para campeã olímpica Rússia e perde a 1ª no Mundial

O resultado era esperado e manteve as russas na primeira colocação do Grupo C, com 100% de aproveitamento após três rodadas. Já o Brasil caiu para a terceira posição, com os mesmos três pontos do Japão, mas com vantagem no saldo de gols. A Dinamarca, que ganhou da Tunísia na rodada e pega as brasileiras nesta quarta-feira, é a segunda colocada da chave, com quatro pontos.

O treinador lamentou o terceiro início seguido ruim da seleção brasileira neste Mundial. "Mais uma vez não começamos bem o jogo. Tivemos problemas no ataque, mas a equipe teve força para melhorar no segundo tempo na defesa e no ataque. Porém, a Rússia é uma equipe que está no topo e é muito difícil jogar contra ela. Neste momento, estamos construindo nosso time e tenho certeza de que no futuro teremos chance de vencer", comentou Jorge Dueñas, ciente de que a equipe precisa melhorar para pode sonhar com o bicampeonato mundial.

Para a goleira Mayssa, que fez uma boa partida contra a Rússia e conhece o handebol das rivais por atuar no clube Rostov-Don, não há motivos para a seleção não acreditar na vaga à próxima fase. "O Brasil ainda tem dois jogos importantes para buscar a classificação para as oitavas de final. Não será nada fácil, mas se jogarmos bem e com força podemos vencer qualquer adversário", explicou.

A situação do Brasil deve ser definida na última partida, pois terá um confronto direto pela vaga e o Japão vai encerrar a sua participação na primeira fase contra a fraca Tunísia. Com isso, o Brasil precisa ganhar de Montenegro, de preferência por uma boa margem de gols para ficar em terceiro.

"Não começamos bem contra a Rússia, como foi nos dois primeiros jogos. Espero que acordemos e tenhamos mais foco e concentração. Estamos com uma equipe nova e o Jorge (Dueñas) está nos ajudando muito nesse novo momento. Não é fácil, temos jovens atletas que jogam na Europa, mas nunca estiveram em um Mundial. Agora, precisamos fazer tudo para vencer a Dinamarca", encerrou Mayssa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.