Ricardo Bufolin/CBG
Ricardo Bufolin/CBG

Após 11 anos, equipe feminina do Brasil vai à final no Mundial de ginástica

Time formado por Flavia Saraiva, Jade Barbosa, Rebeca Andrade, Lorrane Oliveira e Thaís Fidelis somou um total de 162,529 pontos

Estadão Conteúdo

28 Outubro 2018 | 21h22

A seleção brasileira feminina de ginástica artística quebrou um jejum de 11 anos neste domingo. As meninas do Brasil ficaram em quinto lugar na fase classificatória por equipes e avançaram à final do Mundial de Doha, no Catar. O time nacional não obtinha tal feito desde o Mundial de Stuttgart, disputado em 2007, na Alemanha.

A equipe brasileira foi composta por Flavia Saraiva, Jade Barbosa, Rebeca Andrade, Lorrane Oliveira e Thaís Fidelis. Elas somaram um total de 162,529 pontos, superando times mais tradicionais na modalidade, como Japão e Grã-Bretanha, que foi bronze por equipes no Mundial de 2015.

O resultado assegurou a seleção feminina entre as 24 primeiras colocadas, o que garante vaga com equipe completa no Mundial do próximo ano, quando serão definidas a maior parte das vagas para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

Ao mesmo tempo, o Brasil garantiu três ginastas em finais individuais. Flavia Saraiva, de 19 anos, avançou à decisão do individual geral. Finalista olímpica e mundial, a brasileira obteve o nono lugar na classificatória desde domingo, com 53,999.

Jade Barbosa também se qualificou em 18º, com 52,733. Flavinha ainda avançou para a final do solo em quinto lugar, com a nota de 13,900. Rebeca Andrade avançou para a final das paralelas assimétricas, em 10º lugar, com 14,333.

"Claro que podemos fazer ainda melhor, mas foi excelente chegar à final por equipes depois de 11 anos, na quinta colocação. Vale ressaltar nossa boa apresentação no salto, com ótima nota das meninas (43,532)", comemorou Henrique Motta, chefe da delegação do Brasil.

"Ficamos muito felizes com a classificação, ainda mais por ter ficado em quinto lugar por equipe. A gente já obteve esse resultado, mas agora é um pouco diferente, pois não fizemos a melhor competição da vida. A gente ainda tem muito a melhorar, não passamos bem num aparelho que somos muito mais firmes do que demonstramos, que foi a trave. Foi um quinto lugar, mas com quedas. A gente pode mostrar um Brasil diferente na final. Espero que possamos mostrar o que fizemos no treino de pódio", comentou Jade Barbosa.

No masculino, a seleção brasileira vai competir na final por equipes nesta segunda-feira, a partir das 10 horas (horário de Brasília).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.