Após 4 anos, Popó consegue patrocínio

Depois de quatro anos sem patrocínio, o campeão mundial dos pesos leves, Acelino ?Popó? de Freitas, de 28 anos, assinou nesta terça-feira um contrato de patrocínio com a Companhia Energética de Goiás (Celg) e com o governo de Goiás. Para comemorar o contrato, que tem validade de um ano, Popó ofereceu um coquetel para convidados em sua academia em Goiânia na solenidade de assinatura do patrocínio. O evento reuniu autoridades como o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) e o presidente da Celg, José Paulo Loureiro. O evento lotou a academia Energia e Cidadania, a Academia de Popó, na Avenida Assis Chateaubriand, no Setor Oeste. O presidente da Celg, José Paulo Loureiro, explicou que o patrocínio a Popó faz parte da nova estratégia da empresa, que quer investir no esporte e divulgar sua marca no Brasil e no exterior. Segundo o governador Marconi Perillo, o objetivo do patrocínio é transformar Popó em um dos garotos-propaganda do Estado, atraindo investimento e divulgando o nome do estado no Brasil e no mundo. Depois que assinou o contrato, Popó e sua equipe fizeram uma demonstração em cima do ringue, com lutas amistosas entre os alunos. Há cerca de um ano Popó realiza em sua academia, em Goiânia, trabalho social com 200 crianças e jovens carentes com idades entre 10 e 17 anos. A partir de agora, com o patrocínio da Celg, o pugilista terá mais tranqülidade para continuar seu trabalho com adolescentes goianos e participar de competições nacionais e internacionais. O contrato prevê ajuda nas lutas nacionais e internacionais de Popó, além do projeto social feito atualmente na Academia do pugilista. O boxeador presenteou o governador com o roupão que usou na luta que lhe rendeu o título de campeão mundial dos superpenas. O presidente da Celg ganhou um par de luvas. Emocionado, o lutador disse estar muito feliz com o contrato. "Para mim, é uma honra representar o estado de Goiás. Esperei quatro anos por um contrato como este.?

Agencia Estado,

09 de março de 2004 | 22h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.