Após bronze, David Moura fica a 62 pontos de Rafael Silva no ranking do judô

Apenas 62 pontos separam David Moura de Rafael Silva no ranking mundial do judô, faltando um torneio para o fim do período de classificação para os Jogos Olímpicos do Rio. Os dois judocas do peso pesado deverão participar do Masters, em Guadalajara, no México, no último fim de semana de maio.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

09 de maio de 2016 | 15h17

Apesar de diversas nuances do ranking, na prática qualquer resultado a partir do sétimo lugar no Masters entrará na conta tanto de Baby quanto de David, que têm o mesmo descarte: 80 pontos. O quinto lugar vale 140, o que permitiria a David subir 60 no ranking, ainda sem passar Rafael.

Por isso, para fechar o ranking na frente, David tem obrigatoriamente de ir ao pódio em Guadalajara, e com um resultado melhor que de Rafael Silva. Exatamente o que aconteceu em Baku (Azerbaijão), no domingo, quando o mato-grossense faturou o bronze e o 'Baby' terminou em sétimo, depois de perder nas quartas de final e, lesionado, não lutar a repescagem.

Medalhista de prata em Londres-2012, Baby passou boa parte do ano passado machucado. Para correr atrás do tempo perdido, participou de 10 torneios do Circuito Mundial esse ano, mais do que qualquer outro judoca no mundo.

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ), entretanto, não vai necessariamente convocar quem estiver na frente no ranking, ainda que essa seja a regra. A entidade pode levar em consideração o fato de que Baby teve menos chance de pontuar nas últimas 52 semanas, quando os pontos valiam com peso 100%. Isso inclui a ausência dele no Mundial, algo significativo para quem vinha de prata em 2013 e bronze em 2014.

BRIGA ACIRRADA - Rafael Silva e David Moura não foram convocados para o Grand Prix de Astana, no Casaquistão, no próximo fim de semana. Mas o Brasil participará do torneio, que vale 300 pontos ao campeão, com cinco judocas.

Na categoria até 60kg, Felipe Kitadai terá a chance de reverter a desvantagem de meros 21 pontos para Eric Takabatake. Por conta dos descartes, precisa pelo menos de um bronze. Depois, ambos poderão ser inscritos no Masters, já que estão entre os 16 melhores do ranking mundial.

Na até 100kg, a situação é parecida. Rafael Buzacarini luta para tentar chegar em Luciano Corrêa, que está 49 pontos à sua frente. Para ele, também só a medalha interessa. A diferença, nesse caso, é que nenhum dos dois deve ir ao Masters, sendo o resultado de Astana o último válido para a corrida olímpica.

Pelos resultados de Baku, Alex Pombo se garantiu no Rio-2016. Marcelo Contini foi mal na competição e aparece com 509 pontos, contra 733 de Pombo. Nenhum dos dois volta a lutar. Na até 63kg feminina, Ketleyn Quadros até compete em Astana, mas, com 401 pontos, não consegue mais passar Mariana Silva (1.012).

Já estão garantidos na Olimpíada os judocas Charles Chibana (66kg), Victor Penalber (81kg), Tiago Camilo (90kg), Sarah Menezes (48kg), Erika Miranda (52kg), Rafaela Silva (57kg), Maria Portela (70kg), Mayra Aguiar (78kg) e Maria Suelen Altheman (+78kg). Prata em Baku, Portela subiu para 15.ª do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.