Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Após choro e polêmica no UFC Barueri, Toquinho é banido por Dana White

Brasileiro finalizou Mike Pierce em 31s, mas seguiu com o golpe mesmo após juiz encerrar a luta

O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2013 | 19h38

SÃO PAULO - Da glória da vitória à demissão do principal evento de MMA do planeta, bastaram algumas horas. Nesta quinta-feira, o chefão do UFC, Dana White, confirmou em entrevista à ESPN norte-americana que Rousimar Palhares, o Toquinho, não subirá mais ao octógono do evento. O motivo foi a reincidência do lutador brasileiro em prosseguir com a finalização mesmo após o juiz interromper o combate.

Na quarta-feira, no UFC Barueri, Toquinho precisou de apenas 31s para finalizar Mike Pierce, em luta válida pela categoria meio-médio do Card Principal. Mas a finalização relâmpago foi seguida por uma atitude considerada antidesportiva pela Comissão Atlética Brasileira de MMA: o brasileiro demorou a soltar a perna de Pierce mesmo após o juiz do combate ter decretado o fim da luta. Isso impediu que o brasileiro ganhasse o prêmio de US$ 50 mil (cerca de R$ 110 mil) dado como bônus à melhor finalização da noite.

Mas a grande punição seria conhecida mesmo nesta quinta. "Tivemos um incidente com o Paul Daley, da Inglaterra, que acertou um cara após a luta terminar. Nós o cortamos e ele nunca lutará no UFC novamente. Este é o segundo incidente que tivemos com o Palhares, em que ele tinha a chave (de perna) e não soltou. No fim das contas, finalmente soltou, mas vou cortá-lo também. Ele está demitido", declarou Dana White ao canal norte-americana. O chefe do UFC fez referência à luta do brasileiro contra o polonês Tomasz Drwal, no UFC 111, que aconteceu nos Estados Unidos no fim de março de 2010. Na ocasião, Toquinho foi punido com suspensão de 90 dias.

Após a luta dessa quarta, o brasileiro negou que tivesse segurado Pierce além do tempo que deveria, e chorou ao dedicar a vitória a um primo falecido recentemente. Nesta quinta-feira, via Twitter, Toquinho voltou a se defender: "Eu nunca quis machucar ninguém, como um lutador de jiu-jitsu busco sempre a finalização, mas jamais seria maldoso com um atleta. Repeito muito as decisões do UFC, mas acima de tudo respeito muito o Mike Pierce, jamais teria a intenção de machucá-lo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.