Daniel Ramalho/AGIF/COB/AE
Daniel Ramalho/AGIF/COB/AE

Após corte, Adrian Gomes chora e admite não ver Jogos

Ginasta será substituída por Harumi de Freitas

WILSON BALDINI JR., Agência Estado

26 de julho de 2012 | 12h28

Adrian Gomes não escondeu a decepção, nesta quinta-feira, ao comentar o fato de ter sido cortada da seleção brasileira de ginástica artística que disputará os Jogos Olímpicos de Londres. A ginasta será substituída por Harumi de Freitas, convocada após exames confirmarem um problema na vértebra L3 de sua compatriota, motivo que provocou o corte.

O fato de ter sido cortada fez a atleta revelar que poderá se desligar completamente as suas atenções da competição olímpica nos próximos dias, evitando assim lembrar de forma repetitiva de sua ausência da Olimpíada. "Fiquei muito chateada, chorei bastante e nem sei se vou ver os Jogos", afirmou Adrian Gomes.

Para disfarçar a decepção que estava estampada em seu rosto, a ginasta usou óculos escuros na entrevista coletiva que concedeu nesta quinta-feira e ainda precisou passar por uma situação constrangedora. Ao tentar se locomover na Vila Olímpica, foi barrada porque sua credencial não estava mais valendo.

"É uma fatalidade, foi uma lesão típica da ginástica, uma lesão na vértebra por estresse. É uma lesão comum, que infelizmente acontece, devido ao fato de que na ginástica não tem como amenizar os treinamentos", explicou o médico-chefe do COB, José Padilha.

A dor de Adrian cresce em proporções por conta da reviravolta que deu na carreira até chegar a ficar perto de disputar uma Olimpíada. Em 2005, ela teve problemas com peso e ficou quatro anos parada, voltando a competir apenas 2009. A ginasta saiu do Brasil garantida nos Jogos, porque participou de todas as fases de treinamento e competição. Agora cortada, aos 22 anos, ela sabe que dificilmente estará nos Jogos do Rio, em 2016, aos 26 anos.

A lesão de Adrian foi sentida na quarta-feira, um dia antes do treino de pódio, realizado nesta manhã. Ela teve dores nas costas, fez uma ressonância magnética e uma tomografia, e nestes exames foram apontados uma lesão de vértebra. A ginasta vai ter que ficar em repouso por até oito semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.