Paulo Fernandes / vasco.com.br
Paulo Fernandes / vasco.com.br

Após derrota, Zé Ricardo vê 'resultado justo' e admite erros do Vasco

"Levamos gols de bola parada, o que não havia acontecido desde que assumi o comando do clube", afirmou técnico.

Estadão Conteúdo

20 Novembro 2017 | 09h34

O técnico Zé Ricardo admitiu na noite deste domingo que a derrota do Vasco para o Atlético Paranaense, pelo placar de 3 a 1, foi "justa". Na avaliação do treinador vascaíno, o time carioca esteve aquém do esperado e cometeu "muitos erros" na Arena da Baixada, em Curitiba, pela 36ª rodada do Brasileirão. O revés marcou o fim da série de 11 jogos de invencibilidade da equipe vascaína.

+Confira a classificação do Brasileiro Série A

"O resultado foi justo. Tivemos muitos erros. Levamos gols de bola parada, o que não havia acontecido desde que assumi o comando do clube. Sabíamos que essa era uma arma forte do Atlético, mas erramos e fomos punidos. Lamentamos, mas quando não temos performance, fica difícil conseguir o resultado, principalmente em um campo propício para o jogo veloz do Atlético", disse o treinador, referindo-se ao gramado sintético da Arena da Baixada.

Zé Ricardo reconheceu também que o revés atrapalhou os planos do Vasco de brigar por vaga na Copa Libertadores. "Era importante que a gente fizesse a nossa parte em primeiro lugar. Hoje perdemos uma posição, pela primeira vez demos um passo para trás, mas ainda não tem nada perdido, ainda continuamos na briga pela Libertadores", comentou.

Com o tropeço, o Vasco caiu do 8º para o 9º lugar da tabela do Brasileirão. O time estacionou nos 50 pontos e agora está a dois da zona de classificação da Libertadores. Nas duas rodadas finais do campeonato, o time carioca terá pela frente o Cruzeiro e a Ponte Preta.

"Logicamente que ficamos chateados pela performance, pelo resultado, mas restam dois jogos e o torcedor pode ter certeza que iremos lutar até o fim, enquanto tiver possibilidade, seguiremos acreditando", afirmou Zé Ricardo. "Agora é trabalhar, recuperar os atletas e pensar na próxima partida. Ainda dependemos de nós na luta pela Libertadores."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.