Após fazer programa da Olimpíada mudar, Allyson Felix não se classifica nos 200m

Os organizadores do Rio-2016 aceitaram mudar o programa de provas do atletismo de forma que Allyson Felix pudesse correr tanto os 200m quanto os 400m. O que ninguém esperava é que a veterana, medalhista nas últimas três Olimpíadas, não conseguisse se classificara para competir nos 200m nos Jogos do Rio.

Estadão Conteúdo

11 de julho de 2016 | 09h18

Prata em Atenas e em Pequim e campeã olímpica em Londres, Felix ficou a 0s01 de se garantir no Rio. No domingo, no último dia da fortíssima seletiva norte-americana, a vitória nos 200m ficou com Tori Bowie, com o tempo de 22s25. Ela foi seguida de Deajah Stevens (22s30) e Jenna Prandini (22s53). Felix completou em quarto, com 22s54.

Considerada uma das maiores de todos os tempos no atletismo, Allyson queria correr tanto os 200m quanto os 400m no Rio-2016, ainda que as provas costumem ser disputadas por atletas com características físicas diferentes. Tanto que, no Rio-2016, as primeiras baterias dos 200m estavam programadas para as 21h30 do dia 15 de agosto, uma segunda-feira, pouco antes da final dos 400m, às 22h45.

A pedido US Track and Field, a federação norte-americana de atletismo, a IAAF (Associação Internacional de Federações de Atletismo) decidiu inverter o horário das baterias dos 200m com as dos 400m com barreiras, jogando a prova mais curta para a sessão matinal. Tudo para que Felix tivesse mais de 12 horas de descanso entre os 200m e os 400m.

Em Londres, além dos 400m, Alyson também ganhou o 4x100 metros e o 4x400 metros. Ela tinha como meta se tornar a primeira mulher a ganhar quatro medalhas de ouro no atletismo em uma só edição dos Jogos, mas agora só vai brigar por três: 4x400m, 400m e, quem sabe, o 4x100m.

VARA - Também no domingo, os EUA definiram as três atletas do salto com vara que vão disputar a Olimpíada. A seletiva foi vencida por Jennifer Suhr, que saltou 4,80m e falhou nas três tentativas de 4,85m. Sandi Morris fez prova limpa até 4,70m, pulou para 4,85m, mas não obteve sucesso. A terceira vaga ficou com Alexis Weeks, que alcançou 4,70m, carimbou o passaporte, e se retirou da prova.

Morris e Suhr são adversárias diretas de Fabiana Murer por uma medalha no Rio e ocupam, respectivamente, o quarto e o quinto lugares no ranking mundial, com 4,83m e 4,82m. Estão atrás de Murer (4,87m), da grega Ekateríni Stefanídi (4,86m), que no sábado ganhou o Campeonato Europeu, e da cubana Yarisley Silva (4,84m.).

Na temporada indoor, Suhr bateu o recorde mundial, saltando 5,03m, enquanto Morris alcançou 4,95m. Demi Payne, que saltou 4,90m e ficou em terceiro no ranking indoor, sequer participou da seletiva. As três fizeram um total de 11 saltos acima de 4,85m na temporada indoor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.