Após festa em aeroporto, Jair e Montillo preveem mais dificuldades para Botafogo

Festejado por um grupo de dezenas de torcedores no início da manhã desta quinta-feira em seu desembarque no aeroporto do Galeão, no Rio, depois de ter superado o Olimpia nos pênaltis na noite de quarta-feira, em Assunção, no Paraguai, após derrota por 1 a 0 no tempo normal, o time do Botafogo agora espera por dificuldades ainda maiores na fase de grupos da Copa Libertadores.

Estadao Conteudo

23 Fevereiro 2017 | 14h18


Além do paraguaio Olimpia, a equipe carioca passou pelo chileno Colo-Colo, outro tradicional time do futebol sul-americano, em uma das fases preliminares desta edição da competição continental. Mas, apesar de os seus comandados terem mostrado força para chegarem embalados e confiantes à fase de grupos, o técnico Jair Ventura e o meia Montillo contiveram a euforia nesta quinta ao lembrarem que o nível de exigência será ainda maior daqui para frente.


O Botafogo ingressou no Grupo 1 da Libertadores, que conta com o colombiano Atlético Nacional, atual campeão, o Estudiantes, da Argentina, e o Barcelona de Guayaquil, do Equador. "Agora temos de descansar um pouquinho porque agora o 'bicho vai pegar'. A gente ficou apreensivo quando soube que teríamos Colo-Colo e o Olimpia pela frente, mas foi uma boa prova de fogo", ressaltou Jair Ventura, durante o desembarque botafoguense nesta quinta.


O comandante poderá poupar o seu elenco neste próximo final de semana pelo fato de o time ter ficado fora das semifinais da Taça Guanabara, a primeira fase do Campeonato Carioca, em um reflexo de a equipe priorizar as frases preliminares da Libertadores.


Montillo, por sua vez, alertou que já é preciso começar a focar a fase de grupos da Libertadores. "Conseguimos o primeiro objetivo do clube, nada foi fácil e vai ficar mais difícil ainda. Vamos trabalhar para continuar sonhando", ressaltou o argentino, por meio de sua página no Twitter, após não jogar contra o Olimpia na última quarta-feira por ter se lesionado no confronto de ida do mata-mata, no Rio.

Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.