Após gol, Pato sai por 'precaução'

Com um incômodo muscular na coxa, o atacante foi substituído pouco depois de marcar o primeiro gol do jogo

VÍTOR MARQUES, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2013 | 04h22

Por "precaução", segundo a comissão técnica do Corinthians, Alexandre Pato foi substituído aos 26 minutos do primeiro tempo devido a um desconforto muscular. O atacante foi examinado no intervalo nos vestiários do Pacaembu. De acordo com os médicos do clube não houve lesão, mas Pato será mais bem avaliado hoje.

O departamento médico confirmou que foi mesmo apenas um desconforto muscular na coxa direita. Como se trata de um jogador do calibre de Alexandre Pato, que custou ao clube R$ 40 milhões, a saída dele do jogo foi imediata.

Caso contrário, o atacante poderia ter sofrido uma lesão mais séria e que comprometeria todo seu processo de recuperação desde que chegou ao clube no início da temporada.

Alexandre Pato sentiu a lesão antes mesmo de fazer o primeiro gol do jogo, aos 25 minutos do primeiro tempo. Logo aos 20, Emerson e Romarinho foram para o aquecimento, sinal de que a comissão técnica já tinha informação de que algo havia acontecido com Pato.

Saiu o gol e Pato deixou o jogo. Não colocou a mão na coxa e ficou sentado no banco de reservas conversando com o preparador físico Fábio Mahseredjian e com o fisioterapeuta Bruno Mazziotti.

A lesão foi um anticlímax para o atacante, que na véspera da partida comemorava sua sequência de jogos. Desde 2009 que Pato, atormentado por lesões musculares no Milan, não emplacava 11 partidas consecutivas, a sexta como titular. O gol marcado contra o Tijuana foi o quarto com a camisa do Corinthians.

Alívio. Os jogadores do Corinthians comemoram a vitória que deu mais tranquilidade ao time na busca por uma vaga nas oitavas da final - um tropeço seria trágico.

"Ficamos com um sentimento ruim naquela derrota no México. Hoje (ontem) entramos focados", disse o lateral-esquerdo Fábio Santos. "A vitória foi mais do que merecida, nossa equipe se impôs, estamos nos encontrando aos poucos e tivemos uma grande atuação."

O zagueiro Paulo André disse que a presença da torcida ajudou o desempenho do time. "A energia que eles passam é muito grande. Foi nossa melhor partida no ano."

Para o atacante Guerrero, autor de um dos gols da vitória, o sentimento foi de "troco" no time mexicano.

"Não passamos bons momentos lá, eles ficavam fazendo gracinhas, bateram muito. Aqui nos concentramos e ganhamos jogando futebol."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.