Rodrigo Coca|Divulgação
Rodrigo Coca|Divulgação

Após levar 4 a 2 do Figueirense, Zé Ricardo exibe confiança em avanço do Flamengo

Técnico escalou equipe reserva e foi surpreendido por goleada fora de casa

Estadão Conteúdo

25 Agosto 2016 | 10h10

O Flamengo decepcionou ao ser derrotado pelo Figueirense por 4 a 2 na noite desta quarta-feira, em Florianópolis, em sua estreia na Copa Sul-Americana, mas o técnico Zé Ricardo exibiu confiança de que o time carioca poderá reverter a vantagem do time catarinense no confronto de volta, no próximo dia 31, no estádio Kleber Andrade, em Cariacica (ES).

"Não fizemos um bom jogo coletivamente. Não conseguimos organizar nosso jogo em todos os setores, não só na parte defensiva. Mas a avaliação é a de que temos condições de reverter esse placar no jogo de volta, em Cariacica", afirmou o comandante ao analisar a atuação da equipe carioca.

Zé Ricardo ainda enfatizou que o Figueirense teve uma noite muito feliz e surpreendeu o time flamenguista, que foi escalado com zagueiros reservas e ainda teve o argentino Donatti falhando feio no lance do segundo gol de Rafael Moura. Com a bola dominada, ele escorregou e viu o atacante aproveitar o vacilo em grande estilo, tocando de cobertura por cima do goleiro após roubar a bola.

"Não conseguimos nos recuperar após um início de jogo muito forte do adversário. O Figueirense fez uma partida consistente e motivada. Praticamente tudo o que eles tentaram deu certo. Sabemos que temos totais condições de fazer uma boa partida e reverter esse resultado em Cariacica", repetiu o treinador ao projetar o duelo de volta do mata-mata.

Zé Ricardo também evitou eleger culpados para a derrota e preferiu analisar a atuação coletiva do Flamengo, que agora terá de vencer por pelo menos 2 a 0 para seguir vivo na Copa Sul-Americana. "Entramos nessa partida um pouco desatentos. Sofremos três gols em um espaço muito curto de tempo, e isso acabou dificultando o desempenho da formação que estava em campo. No entanto, acredito que nosso segundo gol nos dá um alento, pois uma diferença de mais de dois gols seria mais difícil de buscarmos na partida de volta", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.