Rafael Ribeiro/Divulgação
Rafael Ribeiro/Divulgação

Após levar pancada, Neymar se recupera e não tem dores nas costas

Tratamento a base de analgésicos e gelo garante o jogador na próxima partida contra o México

Robson Morelli , Agência Estado

17 de junho de 2013 | 11h32

FORTALEZA - Neymar reagiu bem ao tratamento nas costas à base de gelo e analgésicos via oral e não reclama mais de dores nas costas. Ele recebeu uma pancada e caiu de mau jeito na partida contra o Japão, estreia vitoriosa do Brasil na Copa das Confederações, no último sábado, no Estádio Nacional de Brasília. O atacante chegou a sair de maca do gramado e logo depois foi substituído por Lucas.

O médico da seleção brasileira, José Luiz Runco, iniciou o tratamento naquele mesmo dia, sábado, e garantiu que não faria qualquer exame de imagem no jogador. O próprio Neymar chegou a comentar que a pancada não o tiraria do jogo contra o México, nesta quarta-feira, no Castelão, em Fortaleza.

No jogo, o Brasil pode garantir a classificação para a segunda fase da Copa das Confederações, no mínimo em segundo lugar do grupo, e o Brasil não pode ficar sem seu melhor jogador. Os jogadores brasileiros não admitem, mas seria muito bom para a seleção nesta fase ainda de preparação enfrentar os italianos, no último confronto da fase de grupos, sem precisar do resultado.

A Itália ganhou do México domingo por 2 a 1. Se o Brasil ficar em primeiro da chave, fará a semifinal em Belo Horizonte. Se avançar em segundo (apenas dois se classificam), voltará de Salvador, onde encara a Itália, para Fortaleza. Na caminhada do Brasil até a final no Rio, Fortaleza é a única sede que poderá receber o time de Felipão duas vezes.

Depois do trabalho leve de domingo com os titulares, Felipão saberá nesta segunda-feira se poderá contar com todos os jogadores para a partida contra o México. De acordo com Runco, após a boa vitória diante do Japão, ninguém mais reclamou de dores ou pancadas. Os japoneses fizeram 14 faltas naquele jogo, quatro delas em Neymar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.