Após liderar regata, Torben Grael não gosta do 5.º lugar

Depois da rachadura no convés, quebra do mastro, quatro mil quilômetros pelo deserto australiano e uma semana de trabalho dormindo apenas duas horas por noite, o quinto lugar na regata costeira disputada em Melbourne, que acumula pontos para a classificação geral, poderia ser considerado uma vitória. Mas, para uma tripulação que acumula nove medalhas olímpicas e doze títulos mundiais, em diferentes classes da vela, o resultado teve um gostinho de decepção. ?Se você vai lá, sem esperar muito e tira um quinto, tudo bem. Mas liderar 80% da regata e tirar um quinto, eu não considero tudo bem?, lamentou o comandante do Brasil 1, Torben Grael. A tensão era grande entre os tripulantes momentos antes da partida, quando a participação na regata ainda estava ameaçada. Depois de uma verificação dos técnicos, o barco foi liberado e tudo parecia conspirar para um retorno perfeito. Os ventos eram favoráveis e, logo na largada, o Brasil 1 tomou a liderança. Conseguiu se manter na frente por quase toda a regata, até que um problema hidráulico no sistema de movimentação da quilha, seguido de uma demora excessiva em uma manobra para içar a vela balão, fez com que o veleiro perdesse quatro posições. Para o bicampeão olímpico Marcelo Ferreira, integrante do time brasileiro, o fato de ter conseguido um inicio de prova perfeito mostra que ainda há tempo para resultados melhores. ?Ter problemas com o barco desanima, mas nós vamos continuar a ir em frente e seguir acumulando pontos?, prevê o regulador de velas da equipe. A semana será de mais trabalho e correria, principalmente para o time de suporte do Brasil 1. O veleiro voltará a passar por reparos, os cabos de sustentação do novo mastro serão substituídos - vieram com a medição errada do fabricante - e novos reforços estruturais feitos. ?A gente vai ver se consegue regular o mastro e fazer melhorias para, no futuro, não ter mais surpresas desagradáveis?, adianta o comandante Torben Grael. Com a vitória neste sábado, o veleiro holandês ABN Amro 1 abre uma grande vantagem e lidera a Volvo Ocean Race com 32,5 pontos, seguido do compatriota ABN Amro 2, com 25 pontos. O espanhol Movistar acumula 18 pontos e a quarta colocação está com o veleiro norte-americano Piratas do Caribe, com 16,5 pontos ganhos. O representante brasileiro Brasil 1 tem 16 e segue na frente do sueco Ericsson e do time australiano Brunel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.